Ford pede empréstimo de 500 milhões ao governo alemão através das linhas Covid

A Alemanha tem dado ajudas financeiras a algumas que apresentaram quebras significativas nos seus negócios, como foi o exemplo da fornecedora de peças Leoni.

A fabricante norte-americana Ford solicitou um apoio de 500 milhões de euros ao governo alemão em garantias de empréstimo, com o objetivo de amortizar o impacto da crise pandémica, revelou o jornal alemão “Handelsblatt” citado pela agência “Reuters” esta segunda-feira, 28 de setembro. A Ford opera duas fábricas automóveis em território norte-americano.

A Alemanha tem dado ajudas financeiras a algumas que apresentaram quebras significativas nos seus negócios, como foi o exemplo da fornecedora de peças Leoni, sendo que a Ford seria a primeira grande fabricante a receber ajuda por parte do governo.

O setor automóvel é um dos grandes pilares da indústria alemã, como se pode observar pela Volkswagen, BMW ou Mercedes-Benz, mas ainda antes da pandemia se instalar no mundo, a economia ligada ao setor tem passado por algumas mudanças devido à aposta nos veículos elétricos, que obrigou a investimentos significativos e despedimentos, à redução da procura mundial por parte de carros novos e também ao escândalo dieselgate que irrompeu em 2009.

Segundo a “Reuters”, a Ford pretenda que o governo federal conceda a maior parte das garantias de empréstimo, enquanto uma parcela mais pequena deverá ser proveniente de estados alemães. A subsidiária da Ford na Alemanha foi fundada em 1925 e tem fábricas em Colónia e Saarlouis, perto da fronteira com França.

Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários