PremiumFórmula 1: ‘Circo’ acelera no Algarve e traz impacto de 30 milhões

Há 24 anos que não se ouve a Fórmula 1 em Portugal, mas a pandemia trouxe uma oportunidade. O CEO do circuito algarvio explica que o Estado terá de contribuir com até 36 milhões de euros.

“É a maior prova desportiva que Portugal vai receber desde o Euro 2004”. A convicção é de Paulo Pinheiro, CEO do Autódromo Internacional do Algarve, mesmo num cenário em que a Fórmula 1 está numa situação disruptiva e em que ainda é uma incógnita a forma como se vão desenvolver as corridas no âmbito das novas regras, criadas em função da pandemia de Covid-19. Sobre o investimento necessário por parte do Autódromo Internacional do Algarve para receber um Grande Prémio de Fórmula 1, Paulo Pinheiro refere, em entrevista ao Jornal Económico (JE), que oscilará entre os 3 e os 3,5 milhões de euros. “Só quando tivermos o contrato é que podemos ter acesso a toda a informação para definir o âmbito total do investimento afeto a uma prova de Fórmula 1”, sublinha.

“Visibilidade global”
“O circuito não pode arcar sozinho com as responsabilidades de organizar uma prova destas”. Paulo Pinheiro realça que a organização de um Grande Prémio de Fórmula 1 implica sempre um contributo do Estado entre 27 e 36 milhões de euros (30 a 40 milhões de dólares). “O Estado de cada país tem de pagar entre 27 a 36 milhões de euros para ter uma corrida destas por causa da visibilidade que tem para todo o mundo e do impacto quase incomparável face ao retorno que o país terá, por via dos impostos, fruto da faturação que se gera. Tudo isso tem impacto direto na nossa economia, seja na componente dos impostos seja na criação de valor acrescentado”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

‘Champions’ em Lisboa. RB Leipzig: treinador mais jovem da Liga dos Campeões ‘dá asas’ à marca de 594 milhões

Desde a sua fundação, o clube viu-se envolvido em várias polémicas, tudo devido à sua ligação direta à Red Bull. A empresa de bebidas energéticas é a dona do clube, algo que não foi bem aceite na Alemanha onde tradicionalmente os sócios têm o poder de participar nas decisões dos clubes, devido à famosa regra ‘50+1’.

Turismo de Portugal lança campanha internacional para saudar ‘Champions League’

Esta campanha, designada ‘Portugal. Champios Everywhere’, abrange todo o período da competição, até 23 de agosto, nos meios digitais e redes sociais, representando um investimento de cerca de 150 mil euros”.

Dos 549 milhões para o PIB aos 150 milhões em impostos. Quanto pesa a indústria do futebol em Portugal? Veja o “Jogo Económico”

A nova edição do Anuário do Futebol Profissional Português, uma parceria entre a Liga Portugal e a EY, regista o contributo total desta indústria para o PIB português, as receitas geradas pelas 32 SAD e os impostos arrecadados pelo Estado português a partir do futebol.
Comentários