PremiumFornecedores ganham margem negocial sobre grandes superfícies

Diploma impede distribuição de tirar de forma unilateral dinheiro de contas-correntes com fornecedores. “Era uma prática aberrante”, diz a Centromarca.

Nuno Veiga/Lusa

“Este é um dia importante para a Centromarca e para todos os fornecedores da cadeia de distribuição agroalimentar em Portugal”, disse ontem ao Jornal Económico, Nuno Fernandes Thomaz, presidente desta associação representativa de empresas de produtos de marca, na grande maioria fornecedoras dos grandes grupos de distribuição nacional. Nuno Fernandes Thomaz congratulava-se pela publicação, no mesmo dia de ontem, em Diário da República, do decreto-lei nº 128/2019, que veio alterar o regime aplicável às práticas individuais restritivas do comércio (PIRC).

“A grande questão, que foi finalmente solucionada, prende-se com os débitos unilaterais, que além de ser uma das práticas abusivas, era uma prática aberrante”, sublinhou Nuno Fernandes Thomaz. Na prática, segundo este responsável, o que se passava até agora é que no âmbito das relações entre as grandes superfícies e os fornecedores, as primeiras empresas, com maior poder negocial, recorriam a um expediente que era, de forma unilateral, retirar dinheiro de uma conta corrente entre as duas partes, alegando posteriormente que determinada entrega ou serviço não cumpria o contratualmente estabelecido. Questionado sobre a dimensão real deste fenómeno, Nuno Fernandes Thomaz admitiu que “não existem dados concretos sobre esta situação; sabemos apenas que ela existia, apesar de estar a cair nos últimos anos”. A falta de dados concretos sobre o fenómeno também se pode explicar pelo medo de represálias que os fornecedores poderiam ter em relação aos grandes distribuidores. “Era uma forma que as grandes empresas de distribuição tinham de aumentar as suas margens de uma forma ilícita e aberrante”, reforçou o presidente da Centromarca.

Artigo publicado na edição semanal de 30 de agosto de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.

Sonae quer abrir até 60 lojas Continente Bom Dia até 2021

Para apostar na abertura de novas lojas, a Sonae prevê um investimento acumulado entre 260 a 280 milhões de euros, sendo que para a manutenção da atual rede de hiper e supermercados e outros espaços lojistas o grupo poderá empregar cumulativamente até aproximadamente 445 milhões de euros nos próximos dois anos.

Sonae MC concluiu ‘sale and lease back’ de imóveis e ganhou 10,9 milhões

Esta operação totalizou 24,4 milhões de euros e gerou um ganho de capital estimado de 10,9 milhões de euros, refere a Sonae que adianta que “o nível de detenção de ativos de retalho (freehold) da Sonae MC passou a situar-se em 43%”.
Comentários