Fortunas dos multimilionários somaram 712 mil milhões de euros desde o início da pandemia

Elon Musk, Jeff Bezos, Bill Gates e Mark Zuckerberg aumentaram a sua fortuna durante a pandemia.

Anton Petrus/Getty Images

Os norte-americanos perderam rendimentos devido à Covid-19, mas os multimilionários viram as suas fortunas aumentar durante a pandemia, aponta o novo estudo “Billionaire Bonanza” do Institute for Policy Studies, citado pela “CNN”.

Jeff Bezos, dono da Amazon, Bill Gates, fundador da Microsoft, e Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, amealharam fortunas desde que a pandemia começou a obrigar os países a isolarem-se uns dos outros. O relatório que denota as desigualdades entre os americanos mostra de os 643 norte-americanos mais ricos arrecadaram 845 mil milhões de dólares (712,7 mil milhões de euros) em ativos combinados, aumentando a sua riqueza em 29%.

De acordo com o estudo, o rápido aumento da riqueza fez com que o património líquido total entre os multimilionários passasse dos 2,95 biliões para os 3,8 biliões de dólares (2,49 biliões para 3,2 biliões de euros). Entre os que mais ganharam encontra-se o nome de Elon Musk, CEO da Tesla, Larry Ellison, CEO da Oracle, e Michael Bloomberg, fundador da agência com o mesmo nome e ex-presidente da cidade de Nova Iorque.

“Teria pensado que, talvez seis meses depois, as coisas teriam piorado e que todo o mundo seria atingido”, disse o diretor do Instituto de Estudos Políticos à “CNN”. “A diferença é gritante entre os lucros dos multimilionários e a miséria económica geral da nossa nação. Isso dramatiza o sacrifício desigual e o elemento de lucro da acumulação da riqueza”.

Se uns ganharam com a crise pandémica, o diretor responsável pelo estudo garante que também observaram o efeito oposto no trabalhador norte-americano. Em fevereiro, os Estados Unidos entraram em recessão, o que deu início a uma crise de desemprego, a pior desde a Grande Depressão (após a queda da Bolsa), com a taxa de desemprego a atingir os 14,7% no mês de abril, perdendo 11,5 milhões de empregos desde que a Covid-19 chegou ao território norte-americano. Ainda assim, em agosto, a taxa de desemprego mostrou uma recuperação, descendo para os 8,4%.

Aumento das fortunas associadas à Bolsa

Fundadores de empresas, os aumentos das fortunas estão ligadas aos ativos que os multimilionários detêm na Bolsa de Nova Iorque, principalmente as suas empresas. Por exemplo, a fortuna de Jeff Bezos está intimamente ligada à Amazon, cujas ações aumentaram mais de 60% desde o início do ano, aumentando a fortuna do fundador da Amazon em 55,2 mil milhões de dólares (46,5 mil milhões de euros).

De facto, apesar de ir somando dinheiro, o fundador do site de comércio eletrónico voltou a assegurar a sua posição como homem mais rico do mundo na lista da Forbes e da Bloomberg, sendo que a empresa também a primeira empresa da História a atingir uma valorização de 200 mil milhões de dólares (168,6 mil milhões de euros).

A família que fundou o comércio Walmart viu a sua fortuna crescer mais de 60 mil milhões de dólares (50,6 mil milhões de euros) desde o mês de fevereiro, uma vez que o lucro do retalhista aumentou perto de 80% este ano para os 6,4 mil milhões de dólares (5,4 mil milhões de euros) no segundo trimestre.

O fundador da Tesla e da Space X, que realizou a sua primeira viagem pilotada por homens ao espaço, viu a sua fortuna aumentar 70 mil milhões de dólares (59 mil milhões de euros), ultrapassando muitos milionários e colocando-se em terceiro lugar dos mais ricos, apenas atrás de Bezos e Gates.

Elon Musk juntou-se também a Jeff Bezos, Bill Gates e Mark Zuckerberg como ‘centibilionário’, ou seja, tornou-se a quarta pessoa do mundo a atingir uma fortuna conhecida superior a 100 mil milhões de dólares (84,3 mil milhões de euros).

Ler mais
Relacionadas

Magnatas da tecnologia perderam 37,2 mil milhões de euros num só dia

As perdas dos milionários deveram-se a uma correção dos mercados e tiveram lugar depois de 11 dias consecutivos de valorização.

Ex-mulher de Jeff Bezos foi a mais rica do mundo durante um dia

Depois de ter ascendido à 12ª posição e de se ter tornado a mulher mais rica do mundo, Mackenzie Scott (ex-Bezos) viu a sua fortuna cair 2,7 mil milhões de euros devido à desvalorização das ações da Amazon na passada quinta-feira na Bolsa de Mercados de Nova Iorque.

Homem mais rico de Hong Kong encaixa 9,29 mil milhões de euros com as subidas do Zoom

O facto de deter 8,5% das ações da empresa de videochamadas significa que, após os resultados positivos, Ka-shing encaixou 11 mil milhões de dólares na conta bancária.

Dono da Tesla ultrapassa Zuckerberg e torna-se terceiro homem mais rico do mundo

Só na última semana, de 24 a 31 de agosto, o dono da Tesla e da Space X viu a sua fortuna crescer 19,7 mil milhões de dólares (16,45 mil milhões de euros).

Zuckerberg vê fortuna superar os 100 mil milhões de dólares após lançar rival do TikTok

Depois de lançar o Reels, e numa altura em que Trump pressiona o TikTok, Mark Zuckerberg juntou-se ao grupo restrito dos milionários com fortunas acima de 100 mil milhões de dólares, onde se encontra Jeff Bezos e Bill Gates.

Da moda de luxo aos chocolates, conheça as 10 famílias mais ricas da Europa

Os negócios de retalho europeus, a produção de automóveis, as chocolateiras, ou até as marcas de moda de luxo, aumentaram os seus rendimentos nos primeiros oito meses do ano, e fortaleceram a sua presença no ranking das familias mais ricas do mundo, ainda dominado pelos Estados Unidos.

Jeff Bezos já vale mais do que um terço das empresas cotadas no Dow Jones

A fortuna do homem mais rico do mundo vale mais do que a riqueza da Nike, do McDonald’s e de 13 das empresas Dow 30 e mais de 85% das ações da Nasdaq 100 e S&P 500.
Recomendadas

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Sindika Dokolo: Da pena de prisão à acusação de ‘complot’. Polémicas do empresário e colecionador de arte congolês

Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, morreu no Dubai, quando praticava mergulho, esta quinta-feira. Para trás ficam alguns episódios polémicos, quase todos relacionados com Isabel dos Santos.

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.
Comentários