Fotógrafo encontrado morto pode estar ligado a serviços de informação estrangeiros

O corpo de Pedro Palma foi encontrado esta quarta-feira dentro da bagageira de um carro, descalço. Até à data, tudo indica que tenha sido suicídio mas fonte da PJ revela existirem “circunstâncias estranhas” a serem investigadas.

Cristina Bernardo

O fotógrafo Pedro Palma, que foi dado como desaparecido na passada quinta-feira, foi ontem encontrado morto na bagageira de um carro, em São Pedro de Sintra e a Polícia Judiciária (PJ) já está a investigar as possíveis ligações do fotógrafo com serviços de informação estrangeiros, noticia o Correio da Manhã acrescentando que o jornal digital Cascais24 que a PJ está só a aguardar pelos resultados da autópsia para dar seguimento à investigação.

Na imprensa de hoje especula-se que tenha sido o próprio a pôr termo à vida, com álcool e comprimidos. Contudo, fonte próxima da PJ, afirmou ao jornal digital existirem “circunstâncias estranhas, que devem ser investigadas, em redor do caso”, mas que “é possível, no entanto, que nunca venha a ser apurado e/ou conhecido publicamente o que aconteceu na realidade”.

O alegado contacto que o fotógrafo mantinha com serviços de informação estrangeiros não foi confirmado ou desmentido mas uma outra fonte avançou ao Cascais24 que Pedro Palma chegou a ser detido em Angola por alegada espionagem.

Já ao CMTV, um residente afirmou ter visto dois veículos passarem a alta velocidade no local onde o carro do fotógrafo foi encontrado, tendo, cinco minutos depois, saído apenas um dos veículos com três ou quatro ocupantes. O morador acrescentou, ainda, que um dos automóveis pareceu-lhe ser o do fotógrafo.

A sua última publicação no Facebook foi feita no dia do seu desaparecimento: uma imagem de dez segundos, com ecrã cinzento, como a demonstrar o final de uma emissão televisiva. Pedro Palma, que vivia com a irmã e com a mãe em Queluz, saiu sem levar consigo o seu telemóvel e não efetuou nenhum movimento bancário, conclui o CM.

Recomendadas

Ministério Público suspendeu operações bancárias no valor de 200 milhões este ano

O diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Amadeu Guerra, num balanço do projeto ETHOS, revelou que “o valor das suspensões de operações bancárias em inquérito foi, já este ano, de cerca de 200 milhões de euros”, valor muito superior aos 16 milhões arrecadados no ano passado.

Polémica. Concurso para publicidade exterior gera ‘guerra’ entre MOP e autarquia de Lisboa

A Multimedia Outdoors Portugal apresentou junto do Tribunal Administrativo o documento para impedir a adjudicação, pela Câmara Municipal de Lisboa, de uma proposta que é ilegal e menos vantajosa no concurso para a concessão da publicidade exterior.

Joana Marques Vidal: “Há um vasto caminho a percorrer no combate à corrupção”

A Procuradora-Geral da República falou à margem de uma conferência sobre a corrupção e preferiu não comentar a escolha de Lucília Gago, como sua substituta no cargo.
Comentários