França e Alemanha investem 150 milhões de euros no desenvolvimento de um novo avião de combate

Este avião vai ter um custo total de quatro mil milhões de euros e só ficará pronto em 2040. Alemanha e França entram com o primeiro investimento e Espanha junta-se no final deste ano.

A França e a Alemanha uniram esforços para desenvolver um protótipo de um avião de combate, através de um investimento de 150 milhões de euros que tem como objetivo diminuir a dependência nos aliados internacionais na Europa, segundo conta a agência “Reuters” esta quinta-feira, 20 de fevereiro.

A construção deste avião ficará a cargo da Airbus e da Dassault Aviation. A Espanha é outro dos países que fará parte do projeto, com um investimento de 50 milhões de euros na parte final deste ano. Este protótipo vai ter um investimento total de quatro mil milhões de euros até 2026, sendo que a sua conclusão só deverá acontecer em 2040, altura em que substituirá os dois modelos de aeronaves de combate agora em utilização – o Rafale (também da Dassault) e o alemão EuroFighter.

Florence Parly, ministro das Forças Armadas francesas, afirma que este projeto marca uma nova era na defesa da Europa. “Permitirá às nossas nações enfrentar as ameaças e os desafios na segunda metade do século 21 e ilustra a nossa vontade e ambição por uma defesa europeia”.

O Reino Unido anunciou, em 2018, o investimento no seu próprio projeto para um avião de combate – o Tempest, que será um concorrente direto da aeronave desenvolvida pela Alemanha, França e Espanha. Ainda assim, as autoridades francesas depositam esperanças que os dois projetos se possam fundir no futuro.

O anúncio deste projeto europeu surge na sequência de alguns executivos da indústria aérea terem avisado os países da zona euro a investir, para evitarem o risco de serem ultrapassados pela China e Estados Unidos no mercado global.

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Défice da balança comercial aumentou para 1.547 milhões de euros em fevereiro

Tanto as importações como as exportações aumentaram no segundo mês do ano devido à subida do comércio intra-União Europeia, segundo o INE.

Mais de 264 mil portugueses estão em risco de desemprego devido à pandemia

Pandemia de Covid-19 pode fazer desemprego disparar 75% até ao final do ano, segundo cálculos do Jornal Económico, com base em cenários publicados pelo Banco de Portugal e dados do Instituto Nacional de Estatística. Serviços e indústria são os mais expostos, dizem especialistas.
Comentários