França e ONU pedem a doadores 295 milhões de euros em ajuda para salvar Líbano

“Enquanto a situação se agravou, as Nações Unidas avaliam em mais de 350 milhões de dólares [295 milhões de euros] as novas necessidades que terão de ser atendidas nas áreas da alimentação, educação, saúde e saneamento de água”, segundo o comunicado do Eliseu.

A conferência internacional de doadores para o Líbano, que decorre hoje e organizada pela França e pelas Nações Unidas, visa recolher 295 milhões de euros em ajuda de emergência, precisamente um ano após a explosão no porto de Beirute.

Ao anunciar segunda-feira a reunião de doadores, a Presidência francesa sublinhou tratar-se de “voltar a socorrer o povo libanês”, depois de terem sido arrecadados 280 milhões de euros durante uma primeira conferência internacional, em agosto de 2020, realizada cinco dias após a explosão que matou mais de 200 pessoas e traumatizou o país.

“Enquanto a situação se agravou, as Nações Unidas avaliam em mais de 350 milhões de dólares [295 milhões de euros] as novas necessidades que terão de ser atendidas nas áreas da alimentação, educação, saúde e saneamento de água”, segundo o comunicado do Eliseu.

A escolha da data coincide com o primeiro aniversário da tragédia e, além de fazer um balanço da situação atual, visa aumentar a pressão para a formação de um governo libanês.

“A França, como a comunidade internacional, quer um governo capaz de aplicar reformas, de retomar negociações com o Fundo Monetário Internacional e de se preparar para as eleições do próximo ano. Um Executivo que faça o trabalho que se espera dele”, indicaram, na mesma altura, fontes da presidência francesa.

O Líbano, nas mãos de um governo interino há quase um ano, passou pela renúncia de dois líderes desde o verão passado devido à falta de consenso político: Mustafa Adib, que durou apenas um mês no cargo, e Saad Hariri, que se demitiu no passado dia 15 de julho após nove meses de desentendimentos com o Presidente libanês, Michel Aoun.

O novo primeiro-ministro designado, Najib Mikati, anunciou, também segunda-feira, que um novo governo só será formado depois do dia de hoje, mas sem avançar uma data precisa.

Sexta-feira passada, o bloqueio da situação levou os países da União Europeia (UE) a aprovaram o quadro jurídico que lhes permite sancionar pessoas ou entidades que considerem responsáveis por obstruir ou minar o processo político democrático.

Porém, a ajuda humanitária que venha a ser acordada nesta terceira conferência internacional é, segundo a França, incondicional, não estando sujeita à exigência de instauração de um novo executivo no país.

As prioridades são a alimentação, saúde, educação e a reconstrução, pretendendo também garantir que os mecanismos de distribuição da ajuda ofereçam a eficácia e transparência necessárias.

Na conferência de hoje participam cerca de 40 líderes políticos ou representantes de organismos internacionais, como o secretário-geral da ONU, António Guterres, ou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Relacionadas

Líbano permanece numa das piores crises económicas da história moderna (com áudio)

A corrupção e instabilidade política empurraram o Líbano para uma crise substancialmente agravada pela Covid-19 e, sobretudo, pela violenta explosão que há um ano vitimou mais de 200 pessoas na capital, Beirut.

Explosão no Líbano: Um ano depois, responsáveis continuam impunes

Incapacidade para a formação de um governo estável e um extenso rol de críticas face às investigações judiciais sobre a explosão que abalou Beirute, são os principais pontos da agenda política interna um ano depois do tremendo acidente.

Líbano tem um novo ‘velho’ primeiro-ministro

No meio de um colapso financeiro sem precedentes, o multimilionário Najib Mikati foi nomeado primeiro-ministro, regressando a um lugar que já antes ocupou por duas vezes. O Presidente Michel Aoun parece não fazer parte do grupo de apoiantes.

Líbano: Crise económica agrava-se com a desistência de Hariri em formar governo

O país do Médio Oriente encontra-se mergulhado numa crise económica que o Banco Mundial descreve como uma das piores da história moderna e agravada pela explosão do verão passado em Beirut.
Recomendadas

PremiumAnne Hidalgo: mais uma espanhola interessada no trono de França

Não é a primeira espanhola de nascimento que tenta chegar longe na chauvinista política caseira gaulesa – o ex-primeiro-ministro Manuel Vals, um catalão, faz disso prova viva sem ter de se ir aos compêndios de História Medieval – mas a atual ‘maire’ de Paris propõe-se não só chegar à Presidência da República francesa, como, antes disso, produzir o verdadeiro milagre de fazer renascer o Partido Socialista francês das cinzas onde o ex-Presidente François Hollande o deixou vai para quatro anos.

Reino Unido elimina lista ‘amber’ onde estava inserido Portugal e já não vai pedir testes negativos aos vacinados

O anúncio surge na sequência de uma revisão das regras em vigor em território britânico e após o secretário dos Transportes, Grant Shapps, ter dito que oito países seriam retirados da lista vermelha. Assim, Portugal passa a estar na lista ‘verde’.

PremiumGuerra com juízes do Supremo sai cara a Jair Bolsonaro

Mesmo depois de se ter desculpado, o presidente brasileiro estáa perder hipóteses de voltar a ser eleito para novo mandato. E prestes a entrar numa nova fase de tensão com o Supremo Tribunal Federal, desta vez por causa da internet e da venda de armas.
Comentários