Francesa Faurecia abre centro logístico internacional em Santa Maria da Feira

Mais de seis milhões de euros de investimento vão permitir a criação de um centro operacional para onde convergirão 300 colaboradores da Europa e norte de África, a que se juntarão 100 novas contratações.

A Faurecia, multinacional do setor dos componentes automóveis, vai abrir um centro logístico internacional na região de Santa Maria da Feira, num investimento que ultrapassa os seis milhões de euros, adiantou ao Jornal Económico fonte da autarquia local.

Para o novo centro vão ser transferidas as operações não industriais do grupo espalhadas por várias geografias da Europa ocidental e do norte de África: serviços administrativos, de comunicações, marketing, design e tudo o que tem a ver com logística será transferido para Santa Maria da Feira – mais concretamente para a zona industrial de Roligo.

Para as novas instalações, em fase de acabamento, serão deslocalizados cerca de 300 colaboradores que até agora laboravam noutras plataformas da Faurecia da Europa e de África – que acima disso criará mais 100 novos postos de trabalho na região onde vai instalar-se.

O grupo, de origem francesa (surgiu em 1914 findado por Bertrand Faure), tornou-se, principalmente a partir de 1997, um dos maiores operadores de componentes automóveis do mundo. A operação em Portugal tem várias unidades industriais espalhadas pelo norte e cento do país – algumas delas na região onde agora vai ser instalado o centro logístico.

O grupo responde a nível planetário por uma faturação que, em 2017, ficou muito próxima dos 17 mil milhões de euros – e que no terceiro trimestre deste ano ascendeu a mais de quatro mil milhões. A produção europeia representa cerca de 50% deste total, com os mercados da América do norte a assegurarem 26% e os da Ásia 17%.

Originalmente, os interiores dos automóveis eram o grosso do negócio do grupo Faurecia, mas neste momento a mobilidade já representa cerca de 27 da faturação. Ford, VW e Renault-Nissan asseguram em conjunto quase 50% da faturação anual. O grupo tem mais de 100 mil trabalhadores de 90 nacionalidades.

Ler mais
Relacionadas

“Relações económicas com França são extremamente relevantes”

Defendendo que os resultados em crescendo no mercado francês representam “o fenómeno de internacionalização da economia portuguesa”, o ministro da Economia ressalva que o sucesso também se explica “pela história partilhada de pessoas e culturas”.

Lucros do Grupo PSA crescem 48,1%, acima das expectativas dos analistas

Mais de 2 mil milhões de automóveis vendidos em todo o mundo geraram cerca de 3 mil milhões de euros em lucros. A Opel, marca que a PSA adquiriu em 2017, depois de duas décadas a ter resultados operacionais negativos, chegou pela primeira vez aos lucros.
Recomendadas

Trabalhadores da RTP manifestam insatisfação ao Governo e questionam contratações

A carta, subscrita por cinco sindicatos e pela Comissão de Trabalhadores da RTP, salienta que o “Serviço Público de Rádio e Televisão está a ser prestado num ambiente de crescente insatisfação e injustiça entre os trabalhadores, precários e do quadro”.

Comporta vai ser vendida por 158 milhões ao consórcio de Paula Amorim

Venda da Comporta ao consórcio composto pela Vanguard Properties e pela Amorim Luxury tem o valor de 158 milhões e sai ser votado em assembleia geral dia 27 de novembro, revelou fonte ligada ao processo ao Jornal Económico. Leia mais na edição de amanhã.

Siro e Cerealto unem-se e criam Ceralto Siro Foods

O novo grupo tem previsto concentrar os seus recursos e permitirá continuar a ser uma fornecedora especializada da Mercadona.
Comentários