Franceses campeões do investimento no imobiliário em Portugal no primeiro semestre

No primeiro semestre de 2019 os franceses foram os estrangeiros que mais investiram no imobiliário português, de acordo com o Gabinete de Estudos da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal. Investimento estrangeiro representa já cerca de 16% do total das transações no sector.

O investimento no sector imobiliário português continua em franca expansão, sendo que entre janeiro e junho deste ano foram os franceses que mais investiram, com uma representatividade de 21%, de acordo com as estimativas apuradas pelo Gabinete de Estudos da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), divulgadas esta quarta-feira, 16 de outubro.

“Os franceses continuam no topo dos que mais investem em imobiliário português. Não há dúvida de que esta rota veio para ficar, e acentua-se a diversificação deste investimento, que não se centra apenas nas principais cidades. Com o aumento de preços nos grandes centros urbanos, há uma procura cada vez mais acentuada em zonas de menor densidade populacional”, afirma o presidente da APEMIP, Luís Lima, citado em comunicado.

Depois dos franceses, seguem-se os investidores do Reino Unido e do Brasil (ambos com 18%), da Alemanha (9%) e da China (7%) como os que mais investem neste sector.

Somando todo o investimento estrangeiro no imobiliário português, verifica-se um peso total de cerca de 16% nos primeiros seis meses do ano.

“A procura continua a centrar-se maioritariamente no Algarve, no entanto, ainda que  ténue, já se nota alguma curiosidade sobre outras regiões”, acrescenta Luís Lima, para quem “o programa de Autorização de Residência para Atividades de Investimento [Vistos Gold] poderá tornar-se uma via bastante interessante para o mercado, caso se verifiquem restrições à livre circulação”.

Um dos principais incerteza para o sector imobiliário português continua a ser o processo de saída do Reino Unido da União Europeia. Não obstante à “retração” sentida aquando o referendo do Brexit, o representante das imobiliárias diz que “a representatividade britânica tem vindo a crescer no investimento imobiliário”

“O imobiliário português continua a ser um porto seguro de investimento.  Ao contrário do que se poderá verificar noutros sectores de exportação, o imobiliário não deverá sentir com tanta intensidade os efeitos do Brexit”, conclui Lima.

No que diz respeito às tipologias mais procuradas, no primeiro semestre do ano os imóveis T3 concentraram uma procura de 46%, seguido pelos T2 (37%) e os T1 (15%).

 

Ler mais
Recomendadas

Custos de construção na habitação nova registam aumento de 0,9% em maio

Este valor representa um crescimento de 0,6 pontos percentuais (p.p) face ao verificado no mês anterior. Já os custos da mão de obra aumentaram 1,4%, registando-se uma quebra de 0,4 p.p em relação ao mês de abril.

Câmara de Lisboa prevê arrendar 177 casas a proprietários privados no programa Renda Segura

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou hoje o arrendamento de 177 casas, a um valor médio de 723 euros, no âmbito do primeiro concurso do Renda Segura, que visa o subarrendamento pela autarquia no Programa de Renda Acessível.

Associação Lisbonense de Proprietários considera “irresponsáveis” declarações de Fernando Medina

Em comunicado, a entidade condena o artigo de opinião do presidente da Câmara de Lisboa, no qual revela que pretende acabar com os alojamentos locais. “Alojamento turístico de curta duração foi o motor da reabilitação urbana em Lisboa”, lembra a ALP.
Comentários