Francisco André é o novo chefe de gabinete do primeiro-ministro

É membro da Comissão Permanente do PS, assumindo na direção dos socialistas a responsabilidade pelo pelouro das relações internacionais.

O dirigente socialista Francisco André assume, a partir de outubro, as funções de chefe de gabinete do primeiro-ministro, António Costa, substituindo nestas funções a jurista Rita Faden, disse hoje à agência Lusa fonte oficial do Governo.

Francisco André, de 41 anos, é membro da Comissão Permanente do PS, assumindo na direção dos socialistas a responsabilidade pelo pelouro das relações internacionais.

Entre outros cargos, Francisco André foi conselheiro na Representação Permanente de Portugal (REPER) na União Europeia e desempenhou as funções de chefe de gabinete do secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros Jorge Lacão, no primeiro Governo liderado por José Sócrates (2005/2009).

Rita Faden regressa em outubro ao seu lugar de origem de diretora-geral do Departamento de Assuntos Jurídicos do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

“Este regresso de Rita Faden ao Ministério dos Negócios Estrangeiros foi acertado com o primeiro-ministro no início do verão”, acrescentou à agência Lusa fonte do executivo.

Recomendadas

Greve dos juízes: Governo deve “dar resposta” às “reivindicações justas”, defende PCP

“Perante esta luta que está em curso, gostaria de fazer a síntese das sínteses: a necessidade de negociação, compromisso e bom senso”, disse Jerónimo de Sousa.

Fronteira Portugal/Espanha poderá vir a gerar atratividade e riqueza, diz Costa

António Costa esteve hoje na assinatura do contrato da empreitada de construção do troço final da autoestrada A25, entre Vilar Formoso e a fronteira com Espanha, que terá 3,5 quilómetros e custará mais de 13 milhões de euros. A obra deverá estar concluída no segundo trimestre de 2020.

Galamba decide e Ministério do Ambiente confirma: João Bernardo é o novo diretor-geral de Energia

João Galamba, recém-nomeado secretário de Estado da Energia, terá estado na origem do afastamento do diretor geral de energia, Mário Guedes.
Comentários