Francisco Camacho eleito presidente da Juventude Popular

Antigo presidente da concelhia de Lisboa da organização juvenil do CDS-PP sucede a Francisco Rodrigues dos Santos, cujo mandato foi terminado de forma interina por Francisco Maia.

Francisco Camacho

O congresso da Juventude Popular (JP) terminou neste domingo. com a eleição de Francisco Camacho para a presidência da organização juvenil do CDS-PP, sucedendo ao atual líder centrista Francisco Rodrigues dos Santos, cujo mandato foi terminado de forma interina por Francisco Maia.

Francisco Camacho teve 203 votos a favor e 12 em branco dos participantes num congresso realizado online, depois de na véspera ter visto aprovada a moção de estratégia global. Segundo esse documento, nos próximos dois anos a JP irá concentrar-se no apoio à família e à natalidade, na segurança social e fiscalidade, na reforma do sistema eleitoral e na afirmação de Portugal enquanto nação marítima.

No seu primeiro discurso enquanto líder da JP, o antigo presidente da concelhia de Lisboa da organização juvenil criticou o impacto de 20 anos de “hegemonia do PS”, descrevendo a “bazuca sem poder de fogo” do Plano de Recuperação e Resiliência como o novo capítulo numa sucessão de políticas socialistas que “hipotecaram as novas gerações”.

Francisco Camacho, que também sucedera a Francisco Rodrigues dos Santos na liderança da concelhia de Lisboa da JP em 2016, será acompanhado por nove vice-presidentes (dois dos quais em representação das regiões autónomas), um secretário-geral e quatro secretários-gerais-adjuntos (três dos quais destinados a coordenar a organização no Norte, ao Centro e ao Sul).

Recomendadas

PS disponível para “construir solução” que responda a dúvidas do PR sobre inseminação pós-morte

O deputado socialista Pedro Delgado Alves considerou que Marcelo Rebelo de Sousa não manifestou reservas nem dúvidas jurídicas quanto “ao essencial do projeto”, mas sobre “dois aspetos particulares do regime”.
ana_catarina_mendes_ps

PS quer teletrabalho por apenas por “mútuo acordo” e em “condições iguais” no público e privado (com áudio)

Os socialistas querem consagrar na lei o direito a desligar e garantir um tratamento igual entre os trabalhadores em teletrabalho e os em regime presencial. A proposta prevê ainda que os empregadores paguem os custos inerentes ao teletrabalho (como luz, gás e telecomunicações) mas mediante “negociação coletiva”.

Marcelo devolve ao Parlamento decreto sobre inseminação pós-morte (com áudio)

O chefe de Estado pede aos deputados que reconsiderem as disposições relativas ao direito sucessório e questiona a sua aplicação retroativa da inseminação artificial com sémen de um conjugue já falecido ou a transferência de um embrião para realizar um projeto parental.
Comentários