Freud e Manuel de Andrade

Uma lei má será sempre má. Nenhuma interpretação a salva. E só deixa de nos atormentar quando vier a ser revogada ou alterada. Mas enquanto o não for há de ser respeitada e aplicada. Sem isso não há separação de poderes nem função legislativa que resista.

Tenho dificuldade em classificar o parecer do Conselho Consultivo da PGR sobre a lei das incompatibilidades. E como se trata de simples divergência de opinião não vai nisto qualquer desconsideração pelo órgão e seus titulares, que me merecem todo o respeito.

Mas uma coisa é certa, nasceu a concepção mágica do Direito como conjunto de regras e princípios que podem ser lidos e interpretados como os contos de Grimm. Estejam atentos estudantes de Direito. A hermenêutica das leis tem regras novas. A lei há de dizer o que a cada um dos nós convir. Para chegar a tal resultado o infeliz parecer mais parece um exercício ubuesco de ficção jurídica em que a tarefa de interpretação se rege pela cabeça de Alfred Jarry.

O Conselho Consultivo inventou um novo método de interpretação das leis: a interpretação irreal. Ou seja aquela que mais se afasta da literal. Pôr-se o candidato a intérprete em bicos dos pés para dizer o que o legislador não disse (e nem sequer pensou) ou, pior ainda, chegar à conclusão que os deputados roçam o indizível e mal conseguem na redação das leis conjugar o sujeito com o predicado tem mais de Freud do que Manuel de Andrade.

Uma lei má será sempre má. Nenhuma interpretação a salva. E só deixa de nos atormentar quando vier a ser revogada ou alterada. Mas enquanto o não for há de ser respeitada e aplicada. Sem isso não há separação de poderes nem função legislativa que resista.

Recomendadas

Dos Países do mundo lusófono

A CPLP é uma Comunidade em permanente construção e que, por isso, deve persistir num esforço de não frustrar as expectativas dos seus cidadãos e adequar-se aos desafios de um mundo em acelerada transformação.

I CAN’T BREATHE

O sistema americano de reconhecimento estrito do mérito e da capacidade de trabalho, troca facilmente a cor pelo dinheiro, possibilitando, e ainda bem, a ascensão rápida dos excepcionais, independentemente da cor, credo ou orientação sexual. Mas, poderá a possibilidade de ascensão dos excepcionais mascarar a situação geral no país? Claro que não.

Mau tempo para políticos maus

Nos EUA e no Brasil, liderados por dois monstros do populismo, a gestão da pandemia tem sido péssima, com esses líderes a darem os exemplos e conselhos errados a toda a hora e a conduzirem políticas erráticas.
Comentários