Fuga para a frente

Uma eventual passagem de Fillon à segunda volta poderá implicar a desmobilização eleitoral da esquerda e colocará Le Pen num cenário favorável.

As últimas semanas foram dramáticas para François Fillon. Cercado pela justiça, o candidato conservador às presidenciais francesas insiste em não se retirar. Atrincheirado no resultado de umas primárias que decorreram antes da publicitação dos alegados empregos fictícios da mulher, Fillon avança para uma eleição muito arriscada para si, para o seu partido e, sobretudo, para a França.

O sistema eleitoral francês (maioritário a duas voltas) foi projectado para conferir uma certa estabilidade no Parlamento e na Presidência. Em linha com a tradição do país, fomenta a existência de dois blocos e a arregimentação à esquerda e à direita. Esta lógica começou a ser corrompida com o apoio encapotado de François Miterrand à divisão da direita. Nos anos 70, Miterrand percebeu que para assegurar a sempre adiada vitória da esquerda (V República) precisaria de uma direita dividida. Historicamente, nada disto era novidade, como o comprova a ocupação francesa pela Alemanha (1940-1944).

A ressurreição da divisão começou com uma pequena Frente Nacional (FN), liderada pelo radical Jean-Marie Le Pen, facilmente controlável pelo sistema eleitoral. A estratégia era simples: em legislativas, numa primeira volta, a FN apresentava-se, retirando eleitorado ao centrismo e ao gaullismo e, na segunda volta, recusava-se a retirar os seus candidatos ou a apoiar estes partidos. Quem ganhava com isto? A esquerda, com um pragmatismo fomentado pelo sistema a duas voltas.

Até agora, como se pode verificar pelas configurações das diferentes legislaturas, o sistema conseguiu conter a FN. Porém, em 2017, com o fracasso da presidência de François Hollande, por um lado, e a hecatombe que se abateu sobre a direita tradicional, com a obstinação de Fillon, nada pode ser dado por assegurado. O PS quase desapareceu e os seus simpatizantes optaram por Benoît Hamon, um candidato claramente à esquerda, espaço em que concorre com Jean-Luc Mélenchon. A sua passagem à segunda volta, por agora, é tida como impossível.

A única esperança na contenção de Marine Le Pen parece, assim, residir em Emmanuel Macron. No entanto, o antigo ministro socialista enfrenta dois problemas: indefinição de programa e ausência de um partido sólido que permita enfrentar as quatro voltas do ciclo eleitoral (duas nas presidenciais e duas nas legislativas). Por outro lado, uma eventual passagem de Fillon à segunda volta poderá implicar a desmobilização eleitoral da esquerda e colocará Le Pen num cenário favorável, com uma campanha centrada na “honestidade” e na degradação dos “velhos partidos”. Onde é que já ouvimos isto?

O autor escreve segundo a antiga ortografia.

 

Recomendadas

Fazer a transição verde implica grandes investimentos na indústria

Somos a favor de metas muito ambiciosas, como alcançar a neutralidade climática até 2050. No entanto, é imperativo que permaneçamos realistas e capacitemos a nossa indústria para desenvolver tecnologia de descarbonização de primeira linha a nível mundial.

Algures para além do arco-íris, muito lá para cima

Fomos construindo um novo normal, prolongado durante mais tempo do que a maioria de nós se atreveria a adivinhar, mas foi com incontido alívio que aos poucos readquirimos velhos hábitos.

Três ideias para o país

O desenvolvimento das pessoas e das suas competências deve ter em conta o contexto e a cultura. Deve permitir promover a autonomia e a mobilidade social, a partir de balanços de competências e de uma maior personalização das políticas públicas.
Comentários