Fukushima: Japão vai despejar água radioativa de central nuclear no Oceano Pacífico

Apesar de estar a acumular água contaminada desde o acidente, o espaço disponível de armazenamento termina em 2022. “A única opção vai ser drená-la para o mar e depois diluí-la”, garantiu Yoshiaki Harada, ministro do Ambiente do Japão.

O operador da central nuclear de Fukushima no Japão vai ter de despejar grandes quantidades de água contaminada diretamente para o Oceano Pacífico, afirmou o ministro do Ambiente japonês, avançou o ‘The Guardian’. Esta contaminação vai colocar em perigo os pescadores locais e as suas capturas de peixe.

Dentro da central existe mais de um milhão de toneladas de água contaminada, desde que foi atingida pelo tsunami em março de 2011. O terramoto de magnitude 8.7 na escala de Richter causou um tsunami, provocando uma falha na central e derretendo três dos seis reatores existentes dentro da central japonesa.

A empresa distribuidora de energia, Tokyo Electric Power (Tepco) tem lutado contra a acumulação de água dentro da central já desativada. A Tepco já tentou remover os núcleos que estão a ficar rodeados de excesso de água mas a tecnologia existente não permite retirar os átomos radioativos na mesma água.

Apesar de estar a acumular água contaminada desde o acidente, o espaço disponível termina em 2022. “A única opção vai ser drená-la para o mar e depois diluí-la”, garantiu Yoshiaki Harada, ministro do Ambiente. “O governo ainda vai discutir esta situação, mas gostava de oferecer a minha opinião”.

Até o governo japonês ouvir um conjunto de peritos sobre a poluição e os efeitos que podem decorrer do despejo tóxico, não vai ser tomada nenhuma decisão. Outras opções incluem vaporizar o líquido ou armazená-la em terra por um longo período.

A decisão apressada de colocar a água contaminada no Oceano Atlântico, poderia colocar a indústria piscatória em causa, uma vez que os pescadores passaram os últimos oito anos a reconstruir a sua atividade. A vizinha Coreia do Sul já emitiu preocupação com o impacto que este despejo terá no marisco.

Ler mais
Recomendadas

Goldman lança fundo de ações de impacto ambiental global

O portfólio concentrar-se-á nas empresas que a equipe da sociedade gestora de ativos acredita que podem apoiar uma maior sustentabilidade ambiental e estão bem posicionadas para beneficiar da procura a longo prazo. Isto inclui empresas alinhadas e que seguem cinco temas ambientais principais: Energia limpa; eficiência de recursos; consumo e produção sustentáveis; economia circular e sustentabilidade da água.

Isabel dos Santos e Sonangol recebem em 2019 maiores dividendos da Galp dos últimos 12 anos

Os resultados da Galp em 2019 são divulgados na madrugada de 18 de fevereiro, antecipando a realização em Londres, amanhã, terça-feira, de um “Capital Market Day” da Galp. Os accionistas da petrolífera vão receber o maior dividendo de sempre.

Economia mundial será afetada em 436 mil milhões de euros pelas alterações climáticas

Segundo um estudo do World Wildlife Fund, as alterações climáticas vão penalizar em 436 mil milhões de euros a economia mundial até 2050. As economias dos Estados Unidos, do Reino Unido e do Japão serão as mais afetadas.
Comentários