PremiumFunção Pública ganha 46% acima da média dos trabalhadores

Médicos, professores, militares e jornalistas são os que ganham mais no Estado. Número de licenciados inflaciona média e CGTP diz que valor deve ser medido do técnico operacional até ao técnico superior.

O ganho médio mensal bruto dos trabalhadores da Função Pública era de 1.730,80 euros em abril de 2019. Um valor 45,68% acima da média da totalidade dos portugueses, que se situava em 1.188,10 euros, segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério do Trabalho, a que o Jornal Económico teve acesso.

Numa altura em que os sindicatos se preparam para fazer greve contra os aumentos de 0,3% propostos pelo Governo, vale a pena trabalhar na Função Pública? Sim, se for licenciado. Curiosamente, a profissão mais bem paga, em média, no setor público é a de jornalista, com ganho médio mensal de 2.791,20 euros. Mas entre as mais bem pagas estão ainda os médicos, professores, juízes, militares e as atividades financeiras (recorde-se que o Estado é o único acionista da Caixa Geral de Depósitos).

A percentagem de trabalhadores com curso superior na Administração Pública é muito maior do que a do setor privado (mais do dobro), o que leva a que a remuneração média na Função Pública seja superior à remuneração média do setor privado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumOrçamento de longo prazo da União Europeia continua num impasse

Líderes europeus discutem em Bruxelas a dotação de verbas do próximo quadro plurianual, mas ‘Amigos da Coesão’ e ‘contribuintes líquidos’ só concordam em discordar da proposta apresentada por Charles Michel.

Covid-19: Economia da China poderá retomar normalidade no segundo trimestre, diz diretora do FMI

Segundo a diretora-geral do FMI, em janeiro foi projetado “um crescimento global de 2,9%, no ano passado, para 3,3% neste ano. Desde então, o Covid-19 – uma emergência de saúde global – interrompeu as atividades [económicas] na China”.

ISV: Fisco ‘perde’ recurso por ausência de respostas ao Constitucional

Na origem deste recurso esteve um processo, que correu no Centro de Arbitragem Administrativa (CAAD), movido por um contribuinte que reclamava da forma como foi aplicado o Imposto Sobre Veículos (ISV) num carro usado importado de outro país da União Europeia.
Comentários