PremiumFunção Pública ganha 46% acima da média dos trabalhadores

Médicos, professores, militares e jornalistas são os que ganham mais no Estado. Número de licenciados inflaciona média e CGTP diz que valor deve ser medido do técnico operacional até ao técnico superior.

O ganho médio mensal bruto dos trabalhadores da Função Pública era de 1.730,80 euros em abril de 2019. Um valor 45,68% acima da média da totalidade dos portugueses, que se situava em 1.188,10 euros, segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério do Trabalho, a que o Jornal Económico teve acesso.

Numa altura em que os sindicatos se preparam para fazer greve contra os aumentos de 0,3% propostos pelo Governo, vale a pena trabalhar na Função Pública? Sim, se for licenciado. Curiosamente, a profissão mais bem paga, em média, no setor público é a de jornalista, com ganho médio mensal de 2.791,20 euros. Mas entre as mais bem pagas estão ainda os médicos, professores, juízes, militares e as atividades financeiras (recorde-se que o Estado é o único acionista da Caixa Geral de Depósitos).

A percentagem de trabalhadores com curso superior na Administração Pública é muito maior do que a do setor privado (mais do dobro), o que leva a que a remuneração média na Função Pública seja superior à remuneração média do setor privado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Costa considera que emissão da dívida é um “dia histórico” para a recuperação europeia

O primeiro-ministro afirma que esta ferramenta permite que o bloco europeu tenha “um programa mais robusto a menor custo” e prova a “credibilidade” da União Europeia. “O futuro começa hoje”, frisou.

Índice de confiança do ISEG na economia volta a subir em maio

O índice de confiança do Instituto Superior de Economia e Gestão na evolução da economia no curto prazo fixou-se em 33,2 no mês passado.

Comissão Europeia já concluiu avaliação do PRR português

O colégio de comissários europeus concluiu esta terça-feira a avaliação do Plano de Recuperação e Resiliência português, a par do plano espanhol, grego, dinamarquês e do Luxemburgo. A aprovação do PRR pela Comissão Europeia será marcada pela visita da presidente da instituição, Ursula von der Leyen, a Lisboa para entregar pessoalmente ao primeiro-ministro, António Costa, o resultado da análise feita pelo executivo comunitário.
Comentários