PremiumFunção Pública ganha 46% acima da média dos trabalhadores

Médicos, professores, militares e jornalistas são os que ganham mais no Estado. Número de licenciados inflaciona média e CGTP diz que valor deve ser medido do técnico operacional até ao técnico superior.

O ganho médio mensal bruto dos trabalhadores da Função Pública era de 1.730,80 euros em abril de 2019. Um valor 45,68% acima da média da totalidade dos portugueses, que se situava em 1.188,10 euros, segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério do Trabalho, a que o Jornal Económico teve acesso.

Numa altura em que os sindicatos se preparam para fazer greve contra os aumentos de 0,3% propostos pelo Governo, vale a pena trabalhar na Função Pública? Sim, se for licenciado. Curiosamente, a profissão mais bem paga, em média, no setor público é a de jornalista, com ganho médio mensal de 2.791,20 euros. Mas entre as mais bem pagas estão ainda os médicos, professores, juízes, militares e as atividades financeiras (recorde-se que o Estado é o único acionista da Caixa Geral de Depósitos).

A percentagem de trabalhadores com curso superior na Administração Pública é muito maior do que a do setor privado (mais do dobro), o que leva a que a remuneração média na Função Pública seja superior à remuneração média do setor privado.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários