Funcionários judiciais criticam fim do sistema rotativo de trabalho

Numa diretiva enviada para vários tribunais e para os Departamentos de Investigação e Ação Penal (DIAP), a responsável da DGAJ estipula que, a partir de segunda-feira, os oficiais de justiça cessem o trabalho em regime de rotatividade e que sejam fornecidas luvas e máscaras a quem tem “especial vulnerabilidade” para trabalhar presencialmente.

O Sindicato dos Funcionários Judiciais (SFJ) contesta o fim do sistema de rotatividade de trabalho e a presença nos tribunais de funcionários “com especial vulnerabilidade”, mesmo protegidos com máscaras e luvas, determinado pela Direção-geral da Administração Justiça (DGAJ).

Numa diretiva enviada para vários tribunais e para os Departamentos de Investigação e Ação Penal (DIAP), a responsável da DGAJ estipula que, a partir de segunda-feira, os oficiais de justiça cessem o trabalho em regime de rotatividade e que sejam fornecidas luvas e máscaras a quem tem “especial vulnerabilidade” para trabalhar presencialmente.

É também referido na diretiva, a que a agência Lusa teve acesso, que “sempre que os postos de trabalho não garantam a distância adequada entre os oficiais de justiça, dever-lhes-á ser disponibilizado EPI [Equipamento de Proteção Individual]”.

Para o SFJ, estas indicações “vêm ao arrepio de todas as orientações da Direção-geral de Saúde, do Centro Europeu para Prevenção e Controlo de Doenças e da legislação em vigor, e contrariam até a exposição dos motivos constantes da proposta que o Governo apresentou na Assembleia da República”.

O sindicato considera que não estão acautelados os princípios da salvaguarda da saúde e da proporcionalidade de que fala o Governo.

Sobre os funcionários, que por questões de saúde são de especial vulnerabilidade, entende o SFJ que “integram o grupo de cidadãos que nos termos das regras do estado de emergência lhes estão impostas restrições muito fortes quer quanto à liberdade individual quer de circulação”.

O sindicato alerta ainda que segunda-feira é dia de tolerância de ponto, existindo “restrições de movimentação” de pessoas.

A estrutura sindical critica a “pressa histérica do Governo” em querer libertar os reclusos imediatamente, “ainda que, com isso, ponha em risco a vida de outros”.

O diploma que permite um perdão parcial de penas até dois anos, um regime especial de indulto, saídas administrativas extraordinárias de reclusos e antecipação excecional da liberdade condicional entrou no sábado em vigor.

A lei prevê também que as prisões preventivas aplicadas aos arguidos de 65 ou mais anos e que sejam portadores “de doença, física ou psíquica, ou de um grau de autonomia incompatível com a normal permanência em meio prisional” sejam revistas.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 504 mortos, mais 34 do que no sábado (+7,2%), e 16.585 casos de infeção confirmados, o que representa um aumento de 598 em relação a sexta-feira (+3,7%).

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Ler mais
Recomendadas

Tribunal da Concorrência declara prescrição de coimas do BdP a ex-administrador do Montepio

Tribunal da Concorrência declarou a prescrição das contraordenações imputadas pelo supervisor ao ex-administrador do Montepio Rui Amaral, num processo que já teve sentença anulada pelo Tribunal da Relação e que tem novo início agendado para a semana.

Tribunal de Justiça da UE confirma que BCE pode manter documentos confidenciais sobre o BES

No acórdão, o Tribunal de Justiça nega provimento ao recurso da sociedade luxemburguesa Espírito Santo Financial Group (uma das entidades através da qual o GES assegurava o controlo do BES) que pedia a anulação da decisão do BCE de 31 de agosto de 2016, que recusou parcialmente o acesso a certos documentos relativos a decisões sobre o BES tomadas em reuniões do supervisor.

Google responde a acusação de monopólio: “Profundamente imperfeita”

Kent Walker, executivo da tecnológica, afirma que as empresas poderiam ter outros motores de busca, mas os utilizadores mostraram “repetidamente” uma preferência pelas ferramentas de pesquisa da Google.
Comentários