Fundador da Huawei diz que “o 5G em Espanha será um exemplo para a Europa”

A afirmação de Ren Zhengfei sobre a vizinha Espanha contrasta com as expectativas da Huawei para o 5G em Portugal. “Portugal sempre foi um país pioneiro, mas sinto que isso não está acontecer com o 5G”, afirmou o key account director da Huawei em Portugal, João Matos Maria, num encontro com jornalistas em 5 de dezembro.

Fundador e presidente executivo da Huawei, Ren Zhengfei

O fundador e presidente executivo da Huawei, Ren Zhengfei, disse esta quinta-feira que a rede da quinta geração móvel em Espanha será um exemplo para a Europa. “As redes espanholas serão um exemplo para o Velho Continente”, disse Ren Zhengfei ao “Expansión”, anunciado ainda que a empresa chinesa firmou parceria tecnológica com a espanhola Telefónica para implementar 5G na América do Sul e Europa.

Zhengfei justificou a sua afirmação devido à implantação de redes de fibra ótica em todo o território espanhol, o que permitirá ligar antenas 5G  à rede sem risco de interferências de cobertura.

A afirmação sobre a vizinha Espanha contrasta com as expectativas da Huawei para o 5G em Portugal. “Portugal sempre foi um país pioneiro, mas sinto que isso não está acontecer com o 5G”, afirmou o key account director da Huawei em Portugal, João Matos Maria, num encontro com jornalistas em 5 de dezembro. Para o responsável, Portugal “está a ficar para trás”.

O criador da Huawei foi a Espanha garantir também que apesar do conflito com os EUA, acredita que não surgirá uma cisão no “mundo digital”, à semalhança do que aconteceu na segunda metade do século XX com a existência do Muro de Berlim, que simbolizava a bipolaridade geopolítica entre os países capitalistas e os Estados comunistas.

A Huawei, que é uma das empresas de maior influência em redes de telecomunicações e a segunda maior fabricante de telemóveis (apenas atrás da coreana Samsung), segundo o “Expansión”, foi acusada pelos Estados Unidos de estar ao serviço do governo chinês e, por isso, de ser uma ameaça à cibersegurança dos EUA e dos países aliados. Esta ideia norte-americana, valeu à Huawei uma campanha de pressão por parte de Washington para convencer os países aliados a vetar a presença da Huawei em diversos mercados. Na Europa, a administração Trump não recolheu apoios.

Em Portugal, a Huawei tem acordos e parcerias tecnológicas com as três principais operadoras de telecomunicações (NOS, Vodafone e Altice).

Ler mais
Relacionadas

Como trabalhar na Huawei mudou a vida deles

No início da sua instalação em Portugal há 15 anos, o gigante chinês não empregava mais de 30 pessoas. Hoje são 120. Três engenheiros explicam o que os atrai na empresa.

PremiumPortugueses dão razão à Huawei contra Trump

Mais de metade dos inquiridos acreditam que a proibição de colaboração das gigantes tecnológicas norte-americanas com o fabricante chinês está relacionada com a guerra comercial entre os países e não com risco de espionagem.

China já está a trabalhar no desenvolvimento de redes 6G

As duas grandes operadoras estatais do país, a China Unicom e a China Telecom, revelaram ainda à Xinhua que iniciaram a pesquisa sobre frequências eletromagnéticas extremamente altas, críticas para o desenvolvimento do 6G.
Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários