Fundo 5G da NOS lidera ronda de investimento de 1,5 milhões na startup portuguesa Reckon.ai

Fundo 5G da NOS liderou ronda de investimento na Reckon.ai, a par da sociedade gestora de fundos Portugal Venture. É o primeiro investimento do fundo da NOS numa startup, desde que foi criado em 2019. Reckon.ai desenvolve soluções tecnológicas de compra autónoma e automática no retalho.

O fundo 5G da NOS realizou o primeiro investimento em startups com modelos de negócio apoiados na quinta geração da rede móvel, ao liderar uma ronda de investimento, no valor total de 1,5 milhões de euros, na Reckon.ai, foi esta terça-feira anunciado. A startup portuguesa, que desenvolve soluções de inteligência artificial e visão computacional aplicadas ao retalho, é a primeira aposta confirmada do fundo da NOS, que, em abril desde ano, já tinha identificado mais de 100 oportunidades de investimento.

Em comunicado, o chief technology officer da NOS, Jorge Graça, afirma que o investimento realizado é “um marco histórico para o Fundo NOS 5G”, uma vez que é o primeiro fundo nacional com o propósito de apoiar pequenas empresas de rápido crescimento com um modelo de negócio suportado pelo 5G e pelas comunicações móveis.

“Estamos muito entusiasmados por apoiar a Reckon.ai a desenvolver as suas soluções altamente inovadoras, as quais sabemos que vão beneficiar tremendamente da introdução do 5G”, sublinha o gestor.

Por sua vez, a cofundadora e presidente executiva da Reckon.AI, Ana Pinto, refere que os 1,5 milhões de euros angariados permitirão à empresa entrar numa nova fase de crescimento. “Acreditamos que o conjunto de investidores que reunimos nos ajudarão a acelerar o negócio de uma forma muito rápida, chegando a mercados prioritários na nossa estratégia, onde existe maior adoção deste tipo de tecnologias”, realça.

Ana Pinto destaca, ainda, o papel da NOS como “um parceiro crucial” para a estratégia da startup.

A verba angariada pela Reckon.ai, numa ronda de capital seed, também, contou com a sociedade gestora de fundos Portugal Venture, que liderou o investimento a par do Fundo NOS 5G. A startup fundada em 2017 por Ana Pinto captou, ainda, investimentos da Bright Pixel (laboratório de startups do grupo Sonae) e da sociedade de capital de risco WiseNext.

A Reckon.ai tem a sua base no Porto, a cidade a partir da qual desenvolve soluções de inteligência artificial e visão computacional aplicadas ao retalho, desde há quatro anos. Segundo esta empresa, a principal tecnologia em desenvolvimento consta na solução ‘BuyBye’, que tem como foco o retalho automatizado. Ou seja, à semelhança do que já faz no Pingo Doce que se localiza na Universidade Nova SBE, em Carcavelos, Cascais, a Reckon.ai está a desenvolver o conceito grab-and-go (‘pegar e levar’), que consiste numa compra autónoma e automatizada, em que não é necessário passar por caixa de pagamento para comprar um produto.

Esta solução, assente na tecnologia de visão computacional, é composta por um expositor que combina câmaras e sensores de carga para obter imagens e alterações de peso nas prateleiras, por forma a determinar todas as movimentações dos produtos em venda. O expositor tem uma porta, controlada pelo sistema e que pode ser desbloqueado através de uma aplicação no telemóvel, utilizada para identificar o cliente e processar o pagamento.

O fundo 5G da NOS, que agora realizou o primeiro investimento, foi criado no final de 2019. O capital inicial deste fundo foi fixado em 10 milhões de euros, com um período de investimento estimado de cinco anos, tendo sido atribuída a gestão do capital à Armilar Venture Partners.

Recomendadas

Linha de Apoio à Qualificação da Oferta com 20 milhões aprovado, diz Rita Marques

A Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, na conferência do Turismo, fez um ponto da situação do Plano Reativar o Turismo. Recorde-se que foi um plano apresentado maio deste ano, com quatro eixos de atuação.

Greve CP: “Será que vamos ter o ministro [Pedro Nuno Santos] em greve no próximo dia 8?”, questionam sindicatos

O ministro das Infraestruturas e da Habitação disse recentemente compreender os motivos da greve dos trabalhadores da CP – Comboios de Portugal e da Infraestruturas de Portugal (IP), marcada para 8 de outubro, afirmando que “têm razão” porque os salários são baixos. Federação de Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) questiona agora de forma irónica Pedro Nuno Santos após Governo e administração da CP terem anunciado “pequenas” atualizações, que não ultrapassam os 10 euros, para salários até 800 euros.

“Conversas com Norte”. “Precisamos da ciência para enfrentar o futuro”, defende responsável do ISCTE

A importância da ciência, num cenário pós-pandemia, é um dos temas abordados no livro “67 Vozes por Portugal – A Grande Oportunidade”, da Editora Leya, uma iniciativa do ISCTE Executive Education. Trata-se de um livro que junta as visões do futuro de Portugal por 67 personalidades portuguesas, entre empresários, artistas, gestores, académicos e tantos outros. José Crespo de Carvalho, presidente da Comissão Executiva do ISCTE, foi convidado a apresentar o livro no “Conversas com Norte” desta semana. Ouça a entrevista no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify.
Comentários