Fundo climático da ONU com dificuldades de financiamento

Austrália e Estados Unidos decidiram afastar-se do Fundo Verde do Clima, que procura ajudar os países não desenvolvidos a combater o seu impacto ambiental.

Países desenvolvidos reuniram-se esta quinta-feira em França para discutirem o financiamento de um fundo internacional destinado a ajudar os países menos desenvolvidos a enfrentar as alterações climáticas, depois de os Estados Unidos terem deixado de contribuir.

A reunião de dois dias, em Paris, pretende encontrar soluções para refinanciar o Fundo Verde do Clima, que gastou a maior parte dos sete mil milhões de dólares (6,29 mil milhões de euros) recebidos dos governos, nos últimos anos.

Em 2015 foi estabelecido o objetivo de arrecadar 100 mil milhões de dólares (89,8 mil milhões de euros) por ano até 2020, para ajudar os países em desenvolvimento a combater e mitigar os impactos das alterações climáticas.

No entanto, a decisão do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de deixar de contribuir para o fundo internacional, originou um défice no Fundo Verde do Clima, que outros países estão a tentar colmatar. A França, o Reino Unido, a Alemanha e outros países europeus disseram recentemente que irão duplicar as suas contribuições para o fundo.

Ativistas ambientais ficaram agradados com esta iniciativa, mas manifestaram receios de que outros países, como a Austrália, sigam o mesmo caminho dos Estados Unidos. “O governo australiano já indicou que pretende não contribuir mais para o Fundo Verde do Clima”, disse, citado pela agência Associated Press, Jan Kowalzig, consultor de políticas do grupo de ajuda Oxfam International.

Face à ausência dos Estados Unidos, organizações ambientais consideram fundamental um esforço conjunto para manter o ritmo no combate às mudanças climáticas.

Ler mais
Relacionadas

ONU com poucos recursos financeiros para celebrar aniversário da organização

Este ano as Nações Unidas celebram o seu 74.º aniversário numa altura em que atravessa a pior crise económica em mais de uma década. António Guterres tem em marcha um plano de redução de custos para que a atividade não seja comprometida, incluindo as celebrações do aniversário da organização.
Recomendadas

Menos emissões e mais reciclagem. Associação Zero destaca 12 números que devem mudar no ambiente

A Associação Zero alerta para alguns números que se têm de melhorar em Portugal, nomeadamente em metas propostas para este ano. No Dia Mundial do Ambiente, em que deve Portugal melhorar?

Estudo: Indústria dos combustíveis fósseis caminha para um processo de “declínio terminal”

O estudo da Carbon Tracker aponta que a procura por combustíveis fósseis poderá nunca recuperar totalmente depois do colapso causado pela pandemia de Covid-19.

Sauditas batem recorde de envio de petróleo para a China em abril

A agência Bloomberg informa que em abril a Arábia Saudita bateu um recorde de exportações de petróleo para a China da ordem dos 2,3 milhões de barris por dia, correspondente ao volume mais elevado desde 2017. Em abril a generalidade dos países europeus estava em fase de confinamento.
Comentários