Fundo Petrolífero timorense valia 15,89 mil milhões de euros no final de outubro

O Fundo Petrolífero de Timor-Leste valia 17,55 mil milhões de dólares (15,89 mil milhões de euros) no final do terceiro trimestre deste ano, mais 100 milhões de dólares que no trimestre anterior, foi anunciado esta sexta-feira.

David M. Parrott/Reuters

“Apresentamos o relatório do fundo petrolífero até ao final do trimestre que termina no final de setembro, altura em que tinha um valor de 17,55 mil milhões de dólares”, disse aos jornalistas o vice-governador do Banco Central de Timor-Leste (BCTL), Venâncio Alves Maria.

Segundo o relatório trimestral divulgado hoje, o FP registou durante o trimestre entradas brutas de capital de 166,7 milhões de dólares (150,8 milhões de euros), sendo que 86,54 milhões dólares correspondem a contribuições e 80,16 milhões de dólares a pagamentos de royalties.

No período trimestral, os investimentos do fundo tiveram um rendimento de 139,62 milhões de dólares (126,36 milhões de euros), dos quais cerca de 100 milhões de dólares correspondem a dividendos e o restante a alterações do valor dos instrumentos detidos.

O relatório nota que nos três meses entre julho e setembro o Governo levantou 203,24 milhões de dólares (183,93 milhões de euros).

Neste período o retorno do fundo foi de 0,81%, “o que compara favoravelmente com os 0,84% do retorno do benchmark”, nota o documento.

O relatório nota que no início de agosto de 2019 o BCTL, gestor do fundo introduziu investimento em ações “baseado em ‘fatores’, com a “divisão equitativa dos investimentos em duas estratégias/portfolios”.

A primeira estratégia “continua a determinar a alocação dos investimentos acionistas em função da tradicional capitalização bolsistas das empresas”, com a segunda a apostar numa composição de portfolio acionistas “com base numa alocação de fatores relevantes”.

“Isto não mudou a composição de ações, mudou a exposição dos investimentos. Estamos a trabalhar com a State Street Global Advisors (SSgA) para a gestão desta estratégia de investimento”, explicou Venâncio Alves Maria.

Ler mais
Recomendadas

Estudo revela que três em cada dez startups do Porto correm o risco de fechar

O relatório “Impacto da Covid-19 nas Startups do Porto”, elaborado pela Porto Digital, FES Agency e Aliados Consulting, revela que 31,7% das startups têm até três meses de capital disponível.

PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

PremiumProibição dos festivais até ao final de setembro “é uma catástrofe para centenas de empresas”

Todos os serviços que estão integrados na realização de um festival musical estão a ser afetados pela lei que proíbe a realização desse tipo de eventos.
Comentários