Fundo português Mustard Seed Maze investe em startup que paga cursos até os alunos terem emprego

A escola francesa IconoClass, que forma em desenvolvimento de negócios e cobre as mensalidades dos alunos até que assinem o primeiro contrato, levantou 3 milhões de euros.

O fundo de impacto social Mustard Seed Maze (MSM) entrou na ronda de investimento da startup francesa Iconoclass, que lhe juntou mais 3 milhões de euros aos cofres. Os investidores portugueses foram conquistados pelo modelo de negócio da empresa de Paris, que disponibiliza cursos de desenvolvimento de negócio (vendas) mas só cobra o valor das mensalidades depois de os alunos conseguirem o primeiro contrato de trabalho.

No financiamento estiveram também envolvidos a sociedade de capital de risco luxemburguesa Brighteye Ventures e três business angels franceses: Cédric Sellin, Josef Bovet (CEO da SumUp, ex-Tiller) e Bruno Sola (CEO da Bizness).

No caso do fundo MSM – a joint venture entre o fundo Mustard Seed e a empresa de investimento de impacto Maze – esta é a 19.ª startup europeia no qual investe, chegando assim aos 10 milhões de euros alocados a empreendedores de sete nacionalidades (Student Finance, Rnters, Knok…).

“A pós-pandemia aumentará a necessidade de requalificação e de novas aprendizagens por parte de profissionais, com o objetivo de adaptar as pessoas à digitalização acelerada da economia. A Iconoclass torna-o acessível para que todos possam aprender sobre vendas e desenvolvimento de negócios – um conjunto de competências que é atemporal e com alta procura”, começa por explicar o managing partner do fundo MSM.

“Forma indivíduos por meio da exposição a profissionais de vendas, com experiências e conteúdo prático. A sua abordagem criará oportunidades para toda a vida, para empregos mais resilientes a longo prazo”, garante António Miguel.

Os principais investidores do MSM são o Fundo Europeu de Investimento (FEI) e a Fundação Calouste Gulbenkian.

97% dos alunos arranjaram emprego um mês depois de acabarem o curso de vendas

Fundada em 2019 por Marie Taquet, a Iconoclass disponibiliza cursos online e físicos de quatro meses, em França, na área do desenvolvimento de negócios. O modelo tem por base uma aprendizagem prática e intensiva com empresas parceiras, como Doctolib, Deliveroo, Spendesk ou SumUp. A empresa assegura que, até à data, 97% dos alunos arranjaram emprego até a um mês depois de terminarem o curso.

A fundadora e CEO conta que, inicialmente, “pretendia oferecer uma educação de excelência para o maior número de pessoas possível, independentemente da formação educacional e meios financeiros”. Hoje, alerta que a “precariedade estudantil se está a tornar numa emergência económica e social que deve ser resolvida de forma eficiente”, pelo que o investimento permitirá solucionar parte do flagelo.

Na prática, os 3 milhões de euros servirão para acelerar o crescimento na Europa através, por exemplo, do lançamento da primeira localização fora de Paris (em Londres) em janeiro de 2022, ter mais cursos tecnológicos em inglês, passar de 60 a 200 alunos por escola e recrutar dez novos colaboradores.

“Estamos muito orgulhosos do nosso papel pioneiro na formação intensiva de profissões tão valiosas e bem pagas como os gestores de vendas de software”, conclui Marie Taquet.

Recomendadas

Direito e Gestão. Católica Porto tem dupla licenciatura única no país

Depois de cinco anos chegaram ao mercado os primeiros estudantes a obter simultaneamente duas licenciaturas – em Direito e Gestão.

PremiumFuturo da formação vai passar mais pelas empresas

Oradores da conferência promovida pelo JE e pela Multipessoal dizem que a pandemia acelerou tendências. A formação contínua é obrigatória e as empresas vão ter de oferecer mais para cativarem talento da nova geração.

Pandemia tornou visíveis necessidades e amplificou fragilidades no ensino, salienta Governo

Durante a ‘web conference’ promovida pela Multipessoal e o JE, concluiu-se que o caminho passa por melhorar o sistema de ensino português ao mesmo tempo que se preparam os novos trabalhadores para as necessidades do futuro.
Comentários