Fusão Thales/Gemalto: um ‘laboratório gigante para criar o mundo de amanhã’

O processo de aquisição da Gemalto, especialista em autenticação digital de identidade, demorou 15 meses a concluir e envolveu um investimento de 4,8 mil milhões de euros por parte da Thales.

Após a fusão entre a Thales e a Gemalto, finalizada ontem, dia 2 de abril, nasceu “um laboratório gigante que cria o mundo de amanhã, com um portefólio de 20.500 patentes, das quais mais de 400 novas foram registadas em 2018”, destaca um comunicado da Thales.

O processo de aquisição da Gemalto, especialista em autenticação digital de identidade, demorou 15 meses a concluir e envolveu um investimento de 4,8 mil milhões de euros por parte da Thales.

A partir de agora, o novo Grupo Thales passa a atingir uma faturação anual de 19 mil milhões de euros e pode aceder a um financiamento interno anual de cerca de mil milhões de euros para as atividades de I&D – Investigação & Desenvolvimento.

‘Internet of Things’, ‘Big Data’, inteligência artificial e cibersegurança são algumas das áreas preferenciais de atuação da Thales, que passa a ter um portefólio estruturado em sete vetores de atuação: banca (‘big data analytics’); defesa (biometria); aeronáutica (gestão de tráfego aéreo não tripulado); transportes terrestres (internet das coisas); espaço (internet das coisas); telecomunicações (‘big data analytics’); e, agora, com a Gemalto consolidada no grupo, DIS – ‘Digital Identity and Security’ (Identidade Digital e Segurança).

Com esta fusão, a Thales passa a contar com três mil investigadores e 28 mil engenheiros dedicados a estas atividades, com capacidades que abrangem o desenvolvimento de ‘software’, processamento de dados, suporte à decisão em tempo real, conectividade e gestão de rede ponto a ponto.

Desta forma, a Thales assegura que “desenvolverá soluções seguras para responder aos principais desafios enfrentados pela nossa sociedade, tais como a gestão de tráfego aéreo não tripulado, a cibersegurança de dados e redes, a segurança de aeroportos ou a segurança de transações financeiras”.

Ver fotogaleria em baixo:

Relacionadas

Thales conclui aquisição da Gemalto por 4,8 mil milhões

Com esta aquisição, o Grupo Thales aumenta as suas receitas para 19 mil milhões de euros anuais. Com cerca de 200 colaboradores no nosso país, a Thales é a principal acionista da Edisoft e opera 21 centros de manutenção e um ‘hub’ de inovação.

Tecnologia portuguesa controla aeroportos de Xangai

A Edisoft, do Grupo Thales, tem em Portugal um Centro de Competência com os engenheirosmais especializados nas tecnologias aeroportuárias.
Recomendadas

FinTech: das finanças pessoais à análise de risco

Produtos digitais cobrem a indústria financeira. A inteligência artifical tanto apoia no ‘backoffice’ como recomenda estratégias de investimento.

Ex-presidente da Nissan pode vir a ser detido mais uma vez esta segunda-feira

A detenção deve acontecer na próxima segunda-feira, altura em que o atual período de detenção por suspeita de ter desviado cinco milhões de dólares (cerca de 4,4 milhões de euros) termina.

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.
Comentários