Fusões e aquisições de empresas em Portugal movimentaram mais de 3 mil milhões até maio

Apesar de em 60% das transações os valores não terem sido revelados, os números representam uma diminuição de 10% no total de transações e uma queda de 53% no capital mobilizado.

O mercado de fusões e aquisições em Portugal regrediu nos primeiros cinco meses de 2021, em comparação ao mesmo período do ano passado, quer em número quer em valor dos negócios. De acordo com a informação recolhida pela plataforma tecnológico-financeira Transactional Track Record (TTR), registaram-se 141 operações, das quais 40% movimentaram 3,1 mil milhões de euros.

Apesar de em 60% das transações os valores não terem sido revelados, os números representam uma diminuição de 10% (no total de transações) e uma queda de 53% (no capital mobilizado) em termos homólogos. Sem surpresas, os sectores tecnológico e imobiliário permaneceram como os mais ativo, com 23 e 21 negócios reportados, respetivamente.

Em termos de investimento estrangeiro, Espanha foi o país que mais investiu em Portugal, em quantidade de negócios, contabilizando 16 operações. Logo depois foi a França (onze) e os Estados Unidos da América (dez). Aliás, as empresas norte-americanas aumentaram em 25% as suas aquisições no mercado português, perfazendo 643 milhões de euros em investimentos, tendo em conta – naturalmente – as transações com valor divulgado.

“Até maio, foram contabilizadas oito transações de private equity e um valor total de 204 milhões. Houve uma diminuição de 33% no número de transações e de 93% do valor total em comparação ao mesmo período de 2020. Em venture capital, foram realizadas 35 operações e um valor total de 829 milhões, representando um aumento de 34% no número de transações”, lê-se no relatório.

Só em maio foram registadas 21 operações de M&A (mergers and acquisitions), num total de 204 milhões de euros, segundo o TTR. A transação do mês, na opinião desde diretório internacional, foi a aquisição da Imperial Chocolates pela Chocolates Valor, que contou com a assessoria jurídica da Telles Advogados e da Cuatrecasas e a assessoria financeira do Banco Sabadell e due diligence da PwC Espanha e PwC Portugal.

Rankings de 2021

Assessores financeiros

  • FTI Consulting  – 500 milhões de euros
  • Caixa BI – 260,28 milhões de euros
  • Guggenheim – 98,56 milhões de euros

KPMG, EY e PwC lideram no ranking das consultoras (assessoria financeira e due diligence).

Assessores jurídicos

  • Uría Menéndez – Proença de Carvalho – 488,99 milhões de euros
  • PLMJ – 272 milhões de euros
  • Vieira de Almeida (VdA) – 200 milhões de euros
  • SRS Advogados – 9 transações
  • PLMJ – 8 transações
  • Uría Menéndez – Proença de Carvalho – 5 transações
Recomendadas

Cuatrecasas assessora sul-coreanos da CS Wind na compra de 60% de ASM Industries

A empresa de torres eólicas pretende reforçar a sua presença no mercado europeu. O negócio, avaliado em 46,5 milhões de euros, deverá ficar fecho no próximo mês de setembro.

Linklaters reforça ‘Dispute Resolution’

A sociedade contratou os advogados Paulo Abreu dos Santos e Belarmino Costa da Silva para o escritório de Lisboa.

Bankinter financia em 10 milhões projeto WhiteShell da Vanguard Properties (com áudio)

Para além do Bankinter ser o financiador do projecto, a Vanguard Properties contou com a assessoria legal da Vieira de Almeida e Associados.
Comentários