Fusões e aquisições em Portugal caíram mas valor movimentado aumentou 5% em 2020

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume de negócios, com 88 transações de compra e venda. A operação em destaque no quarto trimestre foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.

Queda em valor e subida em valor. É esta a retrospetiva do mercado transacional português em 2020, um ano em que registaram 379 operações de fusões e aquisições (M&A) anunciadas, das quais 182 tiveram valores divulgados que somaram 18 mil milhões de euros.

Os dados divulgados esta segunda-feira pelo diretório internacional Transactional Track Record, (TTR) mostram que houve, assim, um aumento homólogo de 5% nos montantes movimentados nesses negócios e uma diminuição de 22% no número de transações.

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume, com 88 transações. A fixar-se outra vez no segundo lugar da tabela, a tecnologia sofreu igualmente uma queda – desta feita de 29% – para 48 operações. Já o sector financeiro (banca e seguros) foi o terceiro mais dinâmico, com 28 transações.

Só no quarto trimestre do ano passado houve 104 negócios no radar do TTR, o que, apesar de representar uma redução de 32% em relação aos últimos três meses de 2019, mantêm a tendência de alta observada no terceiro trimestre.

Espanha continua a ser o principal investidor em Portugal, tendo o país vizinho estado envolvido em 34 operações até o fim de dezembro de 2020. O segundo país que mais investiu em empresas lusas em 2020 foi França (com 22 transações) e o terceiro foi o Reino Unido (21 transações).

“Em 2020, os fundos de private equity estiveram envolvidos em 29 transações, das quais 12 tiveram valores divulgados que somam 4,2 mil milhões de euros. Estes números representam uma queda de 41% no número de negócios e um modesto aumento de 3% no valor total”, pode ler-se no relatório enviado à imprensa.

O negócio em destaque no quarto trimestre de 2020 foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.

Rankings

Assessores financeirosValor
Millennium BCP4.460,70 milhões de euros
Lazard3.392,70 milhões de euros
Caixa BI2.477,28 milhões de euros

 

Assessores legaisValor
Morais Leitão (ML)6.045,40 milhões de euros
Vieira de Almeida (VdA)4.203,25  milhões de euros
Campos Ferreira, Sá Carneiro2.704,34 milhões de euros

 

Assessores financeirosNúmero
Banco Santander5
Millennium BCP, Lazard, Caixa BI e CaixaBank Corporate Finance4
AZ Capital3

 

Assessores legaisNúmero
Garrigues27
Morais Leitão (ML)25
Vieira de Almeida (VdA)23

Fonte: TTR

Ler mais
Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai iniciar revisão dos estatutos

A entidade liderada por Luís Menezes Leitão deliberou ainda, em reunião do Conselho Geral esta sexta-feira, que irá averiguar eventuais situações de incompatibilidade de advogados nos conselhos superiores do Ministério Público.
antónio_costa_silva_partex_4

Sérvulo promove encontro com António Costa e Silva

A Sérvulo promove na próxima semana uma conferência online que conta com a participação de António Costa e Silva, o autor do documento que serve de base ao Plano de Recuperação Económica de Portugal 2020-2030. Assista ao evento no próximo dia 11 de março, na JE TV. Os leitores do Jornal Económico poderão enviar questões para colocar aos oradores.

“Direito de desconexão poderá ser um mecanismo interessante”, defende coordenador da área laboral da PLMJ

As refeições e o trabalho são feitos no mesmo espaço físico, mas é necessário existir uma separação e equilíbrio entre a vida pessoal e profissional para evitar um burnout. A advogada Carmo Sousa Machado defende que no futuro se vão verificar “consequências inevitáveis” do teletrabalho.
Comentários