PremiumFusões e aquisições nacionais escapam à queda global

O mercado nacional de M&A fechou o ano passado com um movimento de mais de 13 mil milhões de euros. Energia, telecomunicações, infraestruturas e tecnologia são os setores que dominarão os negócios de 2020.

O mês de dezembro foi decisivo para o mercado transacional português em 2019, porque apenas dois negócios (anunciados na mesma semana) entraram diretamente para o topo dos rankings. A venda de 49,9% da fibra ótica da Altice à Morgan Stanley e a venda das centrais hídricas da EDP ao consórcio entre a francesa Engie, o Crédit Agricole Assurances e a Mirova (do grupo Natixis) lideram a tabela das maiores transações em Portugal no ano passado – operações com um valor superior a dois mil milhões de euros cada uma. “Trata-se de valores que não são de todo comuns em transações de ativos exclusivamente nacionais. O ano de 2020 parece-nos estar a arrancar muito bem, com operações que se espera venham a fechar já no primeiro trimestre do ano em valores muito significativos”, refere Ricardo Andrade Amaro, sócio da Morais Leitão, ao Jornal Económico (JE).

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ordem dos Advogados: Conselho Regional de Lisboa pede isenção de três meses no pagamento das quotas

O conselho que reúne mais de metade dos 32 mil advogados inscritos na Ordem pede auxílio financeiro para mitigar os efeitos que o novo coronavírus traz ao rendimento mensal de muitos destes profissionais.

Efeitos jurídicos das medidas governativas no âmbito do combate à Covid-19

Poder-se-ia sustentar que apoios à manutenção de postos de trabalho são também apoios às empresas. Contudo, os referidos apoios exigem uma disponibilidade financeira imediata das empresas.

Respostas rápidas: como funciona o regime do ‘lay-off’ simplificado?

O ‘lay-off’ simplificado é uma das medidas anunciadas pelo Governo destinadas a apoiar as empresas durante a pandemia da Covid-19. No entanto, o texto legislativo tem deixado algumas dúvidas de interpretação. O escritório Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados fez um estudo em que pretende dissipar algumas dúvidas.
Comentários