Futebol: entre popular e populista

O futebol, ainda que travestido de negócio, continuará a apaixonar multidões. Mas não pode constituir um campo inesgotável de recrutamento para lideranças populistas.

A crise instalada num dos maiores clubes portugueses encarregou-se de  voltar a trazer para a praça pública a forma como tem vindo a ser gerido o futebol-negócio.

Uma realidade recente e que pouco – ou nada – tem a ver com o futebol-jogo da bola. Um espetáculo que apaixonou multidões e a que, até à chegada da televisão, muitos assistiam apenas através da rádio e das imagens dos jornais – as crónicas dos jogos só acessíveis a quem sabia ler ou contava com a boa vontade de um leitor. Circunstância que não obstou ao desenvolvimento de paixões clubísticas que faziam de cada jornada um alfobre de discussões nas tertúlias habituais: o café, a taberna, o barbeiro, o sapateiro…

Uma realidade que sofreu enormes alterações quando o acesso aos media se democratizou e os grupos de interesse se aperceberam do potencial do fenómeno desportivo. Nessa conjuntura as ligações entre o futebol, enquanto desporto-rei em Portugal, e a política e a economia estiveram na origem de uma teia relacional muito complexa. Uma situação que exige uma reflexão de cariz sociológico.

Assim, alguns pensadores – como Gabriel Tarde e Ortega y Gasset – defendem a irracionalidade da ação coletiva. Dizem que as multidões não dispõem de opinião. Porém, outros pensadores – como Marx, Weber ou Durkheim – recusam que a ação social seja irracional. Afirmam que qualquer facto social encontra explicação noutro facto social.

Esta díade teórica ajuda a compreender o que tem vindo a acontecer em Portugal no que concerne ao futebol, ou seja, de que forma um fenómeno inicialmente popular se está a transformar em populista.

Na minha definição, o populismo representa uma forma de articulação do discurso visando a luta pela hegemonia. Um conflito que pressupõe a criação de dois corpos antagónicos – nós e eles – e que recusa qualquer tipo de negociação.

É através dessa luta que o líder se aproveita da irracionalidade das massas e se alcandora ao Poder. Também é em nome dessa luta que o líder exige a destruição dos corpos intermédios, apresentados como os grandes inimigos. Alguém que está ao serviço dos outros. Aqueles que desafiam a afirmação do grupo.

No entanto, essa destruição dos corpos intermédios é acompanhada da criação de estrutura de suporte do líder. A sua guarda pretoriana chefiada por pessoas-de-mão. Tudo, oficialmente, em nome do interesse coletivo. A defesa do “nós”.

A atuação das novas estruturas é essencial para o sucesso do líder. São elas que se constituem como o executor da vontade do chefe. O único elemento que não pode ser acusado de irracionalidade. Pelo menos ao nível da definição do objetivo central: alcançar e capturar o Poder.

Finalmente, são essas estruturas que condicionam – alterando, limitando ou impedindo – a ação do “outro”. Sobretudo daquele que, segundo o líder, deixou de pertencer ao “nós”.

O futebol, ainda que travestido de negócio, continuará a apaixonar multidões. Cabe a quem de direito tomar as medidas necessárias para que continue a gerar paixões, mas deixe de constituir um campo inesgotável de recrutamento para lideranças populistas. A menos que a promiscuidade dite a lei.

Recomendadas

A Administração Interna

A equipa do MAI é experiente e competente. Distingo, porque nem sempre experiência significa competência. É, também, uma equipa difícil de gerir atendendo às ambições e egos de alguns dos seus integrantes. Grande parte dos erros cometidos são, também, da equipa ou de parte dela.

Uma sentença na China, mas um setor com potencial

Se as grandes empresas, i.e. os empregadores mais exigentes, começam a dispensar os típicos cursos superiores e a favorecer cursos profissionais mais rápidos e práticos, porque não hão de outras empresas começar a fazer o mesmo?

Aula de formatação das consciências

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento suscita divisão entre aqueles que aprovam um guião escolar das consciências e aqueles que reconhecem o carácter discutível e ideológico de alguns dos seus conteúdos.
Comentários