Emprego: futuro obriga a novas estratégias

A gestão de recursos humanos será uma área fundamental nas empresas, considera o investigador Nuno Boavida.

Como antevê o futuro do trabalho em Portugal na perspetiva da interação homem-máquina?
Existe uma crescente preocupação em relação ao impacto no mundo do trabalho desta nova vaga de tecnologias, tais como a inteligência artificial, robotização, automatização. Infelizmente, é difícil antever o impacto da introdução destas tecnologias na realidade portuguesa. Uma investigação desenvolvida em 2016 por António Moniz e Bettina Krings, na Universidade Nova de Lisboa e no Kalrsruhe Institute of Technology, revelou que a Roménia e Portugal são os países da Europa com mais postos de trabalho em risco devido a processos de computorização. Está em curso a elaboração, pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, de uma agenda de investigação sobre o problema.

… e nas relações empregador-empregado?
A introdução de novas tecnologias nas sociedades contemporâneas parece ter o efeito de concentrar grandes quantidades de capital num número muito reduzido de pessoas. As empresas mais valiosas do planeta são hoje as tecnológicas, destronaram as petrolíferas e detêm imenso poder, como se pode observar pelos abusos de posição maioritária nos mercados onde operam, evitando pagar impostos e recorrendo à mão de obra mais barata e desprotegida para desenvolverem as suas operações. Estas novas tecnologias podem também tornar obsoletas muitas qualificações e competências existentes em vastas camadas da força laboral, tornando-as incapazes de viver do seu trabalho. Existe, portanto, a necessidade de reequilibrar este efeito de desigualdade social a nível nacional e supranacional, e de reorganizar as estruturas representativas dos trabalhadores e empregadores. Para melhorar a produtividade e qualidade nas empresas será imperativo elaborar novas estratégias de gestão de recursos humanos. As empresas que já instalaram processos automatizados estarão melhor posicionadas, pois sabem como o envolvimento humano é central.

Recomendadas

OCDE reitera sinais de abrandamento na zona euro, Alemanha e EUA

Em relação a Portugal, o indicador compósito avançado da OCDE manteve-se em setembro pelo terceiro mês consecutivo nos 98,9 pontos, mantendo-se assim abaixo dos 100 pontos desde novembro de 2018.

CMVM: Empresas demonstram falta de conhecimento sobre finanças sustentáveis

De acordo com o relatório divulgado pelo regulador do mercados sobre os fatores ‘ESG’, as 17 entidades envolvidas nessa consulta pública, entre as quais empresas e associações representativas do setor empresarial e financeiro e dos consumidores, sinalizaram dificuldades de “imprecisão e confusão conceptual” sobre o tema.

Lisboa e Porto concentram mais de metade do poder de compra em Portugal

Apenas em 32 dos 308 municípios portugueses, o poder de compra per capita é superior à média nacional.
Comentários