G Train, o luxo de um “palácio em carris” avaliado em 294 milhões de euros

O G Train é por enquanto um conceito, mas inclui entre os seus luxos garagem, terraço, e a possibilidade de inclusão de uma piscina.

Tem 14 carruagens, onde pode encontrar instaladas suites de luxo, escritório, sala para refeições, casa de banho, terraço, ginásio, e até garagem. O ‘G Train’ até vem com a possibilidade de fazer alterações e incluir jardim e piscina. Este “palácio em carris”, como descreve o designer Thierry Gaugain, pode custar ao seu proprietário entre os 252 e os 294 milhões de euros (300 e 350 milhões de euros).

O “palácio em carris” está equipado para ser um local habitável, fazendo uso da tecnologia, arte e luz, como salienta Thierry Gaugain à mesma publicação.

O ‘G Train’ pode atingir 159 quilómetros por hora e deslocar-se em locais como os Estados Unidos, Europa e Rússia.

Entre os luxos disponíveis no “palácio em carris” estão: suites, jardim, galerias de arte, sala para refeições, escritório, casa de banho, quarto de dormir, terraço, garagem, e até está equipado para instalação de uma piscina e passerelle para desfiles, refere o Business Insider.

Outro dos luxos deste comboio é a possibilidade de alterar o vidro de opaco, para transparente e até colorido.

O ‘G Train’ é por enquanto apenas um conceito, mas havendo investidores, a sua construção poderia demorar cerca de dois anos.

Recomendadas

Siza Vieira diz que processo do aeroporto é “mesmo lamentável” e junta-se ao PR nos apelos

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital considera a “história” à volta da construção do novo aeroporto “mesmo lamentável”, juntando-se aos apelos do Presidente da República para que destas eleições saia um consenso sobre a solução.

TAP permite alteração de reservas sem custo associado

Flexibilidade não será válida nos casos em que já tenha havido falta de comparência ao voo.

Reforço de época natalícia. Telepizza vai contratar cerca de 750 funcionários

Quanto ao perfil pretendido pela Telepizza, a empresa descreve que quer “jovens entre os 18 e 30 anos, que procurem conciliar os seus estudos ou práticas universitárias com um emprego part-time”. Ter carta de condução também será um critério.
Comentários