G20 prolonga até dezembro moratória de dívida dos países mais pobres

Os participantes na reunião do G20 Finanças chegaram também a acordo para aumentar os recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI) em 650 mil milhões de dólares para que possa apoiar os mais pobres a combater os efeitos da pandemia.

Os ministros das Finanças e governadores de bancos centrais dos países do G20 decidiram hoje prolongar, pela última vez, por seis meses, até dezembro, a moratória dos pagamentos de dívida para os países mais vulneráveis.

Os participantes na reunião do G20 Finanças chegaram também a acordo para aumentar os recursos do Fundo Monetário Internacional (FMI) em 650 mil milhões de dólares para que possa apoiar os mais pobres a combater os efeitos da pandemia, afirmou o ministro da Economia e Finanças de Itália, Daniele Franco, em conferência de imprensa, após o encontro, que decorreu em formato virtual.

Os responsáveis pelas Finanças do G20 concordaram que é necessário manter os planos de estímulos para fomentar a recuperação após a pandemia e que uma retirada prematura dos mesmos poderia travar este processo.

Foi também debatida a possibilidade de um imposto geral para as empresas, assunto que vai continuar a estar em cima da mesa na reunião que se realiza em Veneza em julho.

“Celebramos o avanço alcançado com a Iniciativa de Suspensão do Serviço de Dívida para facilitar maiores gastos relacionados com a pandemia […]. À luz da persistência de importantes necessidades de liquidez relacionadas com a covid-19, acordámos uma extensão final por seis meses até finais de dezembro de 2021”, refere o comunicado oficial.

Os ministros e governadores de bancos centrais reiteraram o apelo ao setor privado para que adira “em condições comparáveis”.

“Este prolongamento final permitirá aos países beneficiários mobilizar mais recursos para enfrentar os desafios da crise e, quando apropriado, adotar uma abordagem mais estrutural para as vulnerabilidades da dívida”, segundo o comunicado.

A reunião do G20 concordou que é necessário intensificar o “apoio aos países vulneráveis à medida que abordam os desafios associados à pandemia de covid-19” e nesse sentido os participantes apelam ao FMI para “apresentar uma proposta abrangente para uma nova alocação geral de Direitos Especiais de Saque (DES) de 650 mil milhões de dólares”, que melhoraria a liquidez mundial e ajudaria a recuperação global.

Os países do G20 também convidam o FMI a apresentar propostas para melhorar a transparência e a prestação de contas no uso dos DES.

“Paralelamente, pedimos ao FMI que explore opções para que os membros canalizem os DES de forma voluntária para o benefício dos países vulneráveis, sem atrasar o processo de uma nova alocação”, acrescenta o comunicado.

Ler mais

Recomendadas

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

PRR: Investimento em infraestruturas transfronteiriças reduzido para 65 milhões de euros

Na versão submetida a consulta pública, em 16 de fevereiro, o Governo previa um investimento global de 110 milhões de euros em infraestruturas rodoviárias para assegurar as ligações transfronteiriças entre Portugal e Espanha, que no documento final, entregue esta quinta-feira, foi reduzido para 65 milhões de euros.

Fórum para a Competitividade critica PRR e pede foco na saúde, licenciamentos e turismo

O turismo merece particular destaque na nota de Perspetivas Económicas do Fórum, que relembra que o saldo acumulado da balança turística nos seis anos que antecederam a pandemia é equivalente às transferências europeias para Portugal nos próximos nove anos.
Comentários