Gabinetes de apoio a juízes e procuradores não saíram do papel

Por falta de dinheiro, estes profissionais estão há 10 anos à espera que sejam criadas as entidades compostas por especialistas em Ciências Jurídicas, Economia e Contabilidade.

A criação de gabinetes de apoio aos magistrados e procuradores não passa de uma ideia no papel. Depois de constar do modelo de reorganização do funcionamento dos tribunais, em 2009, e do diploma de reforma do mapa judiciário, em 2014, continua ser ver a luz do dia devido à falta de verbas.

A notícia é avançada pelo “Público”, que refere que esta norma voltou a fazer parte dos objetivos estratégicos da Justiça para 2019, mas não existe fatia orçamental para o efeito. Em causa estão gabinetes com especialistas em áreas como Ciências Jurídicas, Economia ou Contabilidade, encarregues de assessorar estes profissionais de justiça.

“No Orçamento atribuído ao Conselho Superior da Magistratura para 2018 não foi contemplada dotação para a instalação dos gabinetes”. Tal repetiu-se no orçamento para este ano”, referiu este órgão ao jornal. Segundo a Procuradoria-Geral da República, o tema ainda está “em estudo, com vista à definição de um concreto modelo de implementação”.

Recomendadas

Notários apelam a menos burocracia e mais tecnologia para combater branqueamento de capitais

Os notários querem estar representados na Comissão de Coordenação das Políticas de Prevenção e Combate ao Branqueamento de Capitais. Argumentam com uma média de 100 operações por ano assinaladas por notários como suspeitas. E propõe ainda a criação der uma plataforma informática que concentre todo o fluxo de informação em matéria de combate ao branqueamento.

Envio de processo de Duarte Lima do Brasil para Portugal transitou em julgado

O Supremo Tribunal brasileiro determinou o trânsito em julgado da decisão de enviar para julgamento em Portugal o processo em que o ex-deputado português Duarte Lima foi acusado de homicídio da sua cliente Rosalina Ribeiro.

Tribunal rejeitou providência cautelar da Ordem dos Enfermeiros contra ministério da Saúde

A Ordem dos Enfermeiros avançou com uma providência cautelar a 6 de maio para suspender a sindicância.
Comentários