Gaia aprova intervenções em empreendimentos sociais no valor de 20 milhões de euros

“Na próxima semana já começam obras em vários”, disse esta tarde, em reunião camarária, o presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, sobre um investimento que resulta de candidatura Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

A câmara de Vila Nova de Gaia aprovou hoje um pacote de investimentos superior a 20 milhões de euros para empreitadas em empreendimentos sociais do concelho, projetos que arrancam até setembro “no máximo”, disse o autarca local.

“Na próxima semana já começam obras em vários”, disse esta tarde, em reunião camarária, o presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, sobre um investimento que resulta de candidatura Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

Assim, à câmara de Gaia caberá pagar 15% do total da obra, enquanto 85% são fundos europeus.

Os trabalhos incluem arranjos de fachadas, telhados, substituição de placas de amianto, troca de caixilharias, entre outros aspetos.

“Em Vila D’Este, por exemplo, a intervenção também é espaço exterior, em jardins. Tivemos de acelerar as aprovações hoje porque são fundos comunitários. Até setembro, no máximo, há obra em todos os empreendimentos”, disse Eduardo Vítor Rodrigues já à margem da sessão quando respondia a questões dos jornalistas.

Em causa estão obras em equipamentos das 15 freguesias do concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.

Ler mais

Recomendadas

Derrocada na Praça de Espanha. “Não estão reunidas as condições para abrir o túnel”, diz vereador

“Todas as pessoas foram evacuadas. Estavam cerca de 300 pessoas dentro da carruagem, das quais resultaram três feridos, mais o segurança. Vão já começar os trabalhos para que sejam retomadas as condições de normalidade o mais depressa possível. Numa análise muito preliminar, prevê-se pelo menos um a dois dias de interrupção”, garantiu o responsável autárquico.

Covid-19: Pior verão de sempre na aviação leva IATA a agravar projeções

Assim, a atual previsão é que a pandemia de covid-19 e as medidas restritivas que se seguiram motivem uma queda do tráfego aéreo em 66% em todo o mundo este ano face ao ano passado, quando anteriormente a IATA apontava para uma redução de 63%.

Abrandamento das importações chinesas aos EUA pode comprometer objetivos do acordo comercial

A primeira fase do acordo comercial entre os dois gigantes prevê um aumento das exportações americanas destinadas à China, uma meta que poderá estar em risco caso se mantenha o ritmo atual de compra de bens norte-americanos pelos chineses.
Comentários