Galamba avisa que não vai haver cabo submarino se centrais a carvão de Marrocos não forem penalizadas

O estudo sobre a interligação entre Portugal e Marrocos está atrasado, não havendo nenhuma data prevista para a sua conclusão, segundo o Governo. O cabo submarino tem um custo estimado de 700 milhões de euros, com a sua viabilidade a ter de ser ainda estudada. Mas se nada mudar em relação à eletricidade marroquina de origem poluente, a interligação não avança, de acordo com o secretário de Estado da Energia.

A Península Ibérica tem vindo a importar eletricidade de duas centrais a carvão em Marrocos. O país do norte de África produz esta eletricidade mais poluente a preços mais baratos, pois não tem o peso da carga fiscal que existe nos países ibéricos sobre as centrais a carvão, dando assim uma vantagem competitiva à eletricidade marroquina sobre a ibérica.

A questão tem se vindo a agravar, com o aumento das importações ibéricas de eletricidade de Marrocos. Espanha – o único país ibérico que tem interligações diretas com o país magrebino -, já se queixou à Comissão Europeia sobre esta situação.

Neste cenário, e enquanto a questão não for resolvida em Bruxelas, o cabo submarino de eletricidade entre Portugal e Marrocos não vai avançar, garante o Governo português. Esta interligação tem um custo estimado de 700 milhões de euros, a dividir pelos dois países.

“Essa questão já foi suscitada explicitamente por Espanha por causa das centrais a carvão em Marrocos, nós acompanhamos a posição espanhola. Espanha já contactou a Comissão Europeia no sentido de criar mecanismos tarifários de ajustamento”, começou por dizer o secretário de Estado da Energia na terça-feira, 17 de setembro.

“Isto também se prende com a possibilidade de haver uma interligação com Marrocos; não haverá uma interligação com Marrocos se estas questões não forem resolvidas, pela simples razão de que não se podem fechar centrais a carvão, e por em causa empregos, para depois fazer outsourcing para os mesmos empregos e a mesma tecnologia umas dezenas de quilómetros mais abaixo”, afirmou João Galamba.

O estudo sobre a viabilidade da interligação elétrica entre Portugal e Marrocos, um cabo submarino com capacidade para transportar eletricidade entre os dois países, deveria estar pronto no início deste ano, mas está atrasado. O estudo está a ser elaborado pela Redes Energéticas Nacionais (REN) e a sua congénere marroquina.

“A interligação Portugal-Marrocos não é um projeto para o ano, é um projeto para a segunda metade da década, se for viável. Mas está em curso. Era para estar concluído no início deste ano, mas tem havido atrasos”, explicou o governante.

“Os espanhóis colocaram a questão do chamado carbon adjustment tax à Comissão Europeia, que tem um grupo de trabalho dedicado a isso e vai debruçar-se sobre o tema. A partir do momento em que a Europa impõe taxas de carbono, penalizando as emissões poluentes e os combustíveis fósseis, se outros países não o fizerem, nós temos uma desvantagem competitiva, toda a economia europeia”, sublinhou João Galamba.

As declarações do secretário de Estado da Energia tiveram lugar no dia em que a consultora Deloitte apresentou um estudo sobre o impacto do setor das energias renováveis em Portugal.

Entre 2010 e 2018, as energias renováveis tiveram um impacto positivo de 2,4 mil milhões de euros na fatura de eletricidade dos portugueses, segundo o estudo realizado em colaboração com a Associação Portuguesa de Energias Renováveis (APREN).

O estudo fez um balanço entre os custos das renováveis na fatura dos consumidores – pagos através dos Custos de Interesse Económico Geral (CIEG) -, e o seu impacto positivo para o sistema elétrico.

Desta forma, os custos com a produção de energia renovável pagos pelos consumidores atingiram os 7.570 milhões de euros no espaço de nove anos. Já a poupança obtida devido às energias renováveis atingiu os 10.000 milhões de euros. Fazendo o balanço, o impacto positivo das renováveis atingiu os 2.400 milhões de euros entre 2010 e 2018, segundo o estudo.

Energias renováveis com impacto positivo de 2,4 mil milhões para os consumidores em nove anos

Relacionadas

Energias renováveis com impacto positivo de 2,4 mil milhões para os consumidores em nove anos

Entre custos para o consumidor e poupanças obtidas, as renováveis tiveram um impacto positivo, segundo um estudo realizado pela Deloitte.
Recomendadas

Do “Cartão Vermelho” ao “Fora de Jogo”: como combater as ilegalidades do futebol português? Veja o “Jogo Económico”

Acompanhe o “Jogo Económico” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Presidente da República diz que Alemanha e Volkswagen prometeram e cumpriram com Portugal

“A Autoeuropa correu bem porque, em primeiro lugar – como já disse o senhor primeiro-ministro -, nós mostrámos que éramos capazes de fazer bem feito”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, salientando que os portugueses também demonstraram ser capazes de ser consistentes na produção de qualidade, capacidade de resiliência e de inovação.

Portuguesa Blue Oasis Technology foi uma das startups vencedoras do programa das fundações Oceano Azul e Calouste Gulbenkian

A empresa, com menos de um ano de vida, desenha, constrói e instala “recifes” artificiais que permitem a, recuperação de ecossistemas marinhos danificados e a reversão do declínio da biodiversidade do oceano. Noruegueses da Tekslo Seafood e argentinos da FeedVax também se destacaram.
Comentários