Galileu com receita de 2,7 milhões de euros impulsionada pelas áreas de competências pessoais e empresariais

A empresa de formação do Grupo Rumos – Knowledge Sharing encerrou o exercício de 2019 com uma subida de 17% na faturação.

A Galileu, empresa especialista em formação, anunciou um acréscimo de 17% nas receitas de 2019, que atingiram os 2,7 milhões de euros.

O crescimento fica a dever-se em grande medida a um aumento de atividade nas áreas de competências pessoais, empresariais e soft skills, tanto em ações de formação em sala como em projetos de team building, justifica a empresa, em comunicado.

A Galileu registou ainda “um considerável aumento na categoria das experiências corporativas, ou Galileu Teamwork Sets”, acrescenta o documento.

No período em apreço, a Galileu ministrou um total de 17 mil horas tendo contado com a presença de mais de 10 mil formandos.

“O crescimento verificado em 2019 representa o reconhecimento da nossa flexibilidade e capacidade de responder aos desafios que nos são apresentados”, salienta Cláudia Vicente, diretora da Galileu.

Olhando para o futuro, adianta que a estratégia da Galileu vai continuar a passar pela disponibilização de soluções de formação, nas áreas de Tecnologias da Informação, competências pessoais, empresariais ou soft skills, ajustadas à realidade das organizações, e que contribuam para o seu desenvolvimento e sucesso.

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários