PremiumGaliza e País Basco sem nada de novo na frente autonómica

A norte de Portugal, o PP deverá manter a maioria absoluta obtida em 2009. Bem mais longe, coligação entre nacionalistas e socialistas é para manter.

A Galiza e o País Basco realizam eleições autonómicas no próximo domingo, 12 de julho, depois de terem estado previstas para abril passado, numa tentativa de darem a entender que tudo está na mesma depois de passado o pior da pandemia de Covid-19.

Na mesma está, pelo menos, a frente política em ambas as autonomias: segundo todas as sondagens, em nenhuma das regiões é de esperar qualquer alteração do quadro político em vigor.  Assim, o Partido Popular deverá manter-se como a força mais votada na Galiza, enquanto no País Basco será o Partido Nacionalista Basco a manter as rédeas da governação. No que tem a ver com a Galiza, a única dúvida que sobrevive é a possibilidade de o PP conseguir ou não maioria absoluta.

As sondagens indicam que a maioria absoluta está perfeitamente ao alcance do PP da Galiza, que assim mantém uma hegemonia regional invejável: começou com Manuel Fraga Iribarne, um mal-amado em Madrid, presidente durante 15 anos, e, depois de um breve hiato socialista (com Emílio Perés Touriño), passou para Alberto Núñez Feijóo.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumReabertura do aeroporto tem balanço positivo de Governo e hoteleiros

Governo tem apostado no capital da confiança no destino. ACIF diz que hoteleiros consideram operação no aeroporto “célere e eficaz”.

PremiumBi4all cria ‘app’ para controlar ajuntamentos nas praias

A consultora tecnológica está a trabalhar com a autarquia de Sines numa nova solução. “É Inteligência Artificial, sem entrar na privacidade das pessoas”, garante o CEO da empresa, José Oliveira.

Premium“Miguel Gouveia será, obviamente, candidato à Câmara do Funchal”

Novo presidente do PS Madeira quer modernizar o partido e melhorar a comunição interna e externa. Nas autárquicas o objetivo é aumentar a representação e admite coligação pré-eleitoral no Funchal.
Comentários