Galp. Empresa anuncia dividendo de 35 cêntimos relativo a 2020 e de 50 cêntimos para o exercício de 2021

A empresa vai propor aos seus acionistas um corte de 50% no dividendo de 2020 em comparação com o do ano anterior. Para o exercício de 2021, a Galp pretende pagar 50 cêntimos de dividendo, com um pagamento intercalar no terceiro trimestre deste ano “dependendo da performance” da empresa”.

Cristina Bernardo

Apesar de ter fechado o ano de 2020 com prejuízos, a Galp vai pagar o dividendo de 35 cêntimos aos seus acionistas em maio, depois de ter suspendido o pagamento do seu dividendo intercalar em 2020.

Em relação ao exercício de 2021, a Galp pretende pagar 50 cêntimos de dividendo, com um pagamento intercalar no terceiro trimestre “dependendo da performance” da empresa”.

Para o exercício de 2020, o conselho de administração irá assim propor um dividendo de 35 cêntimos por ação, menos 50% face ao dividendo do ano anterior, “refletindo os impactos resultantes das condições adversas de mercado”.

Em julho de 2020, a empresa decidiu que não iria pagar o dividendo intercalar, depois de ter registado prejuízos de 22 milhões de euros no primeiro semestre do ano passado, justificando a decisão com “fracas condições de mercado”.

“A proposta do dividendo integral relativo a 2020 será anunciada tendo em consideração os resultados anuais, cuja divulgação é esperada no primeiro trimestre de 2021”, disse então a empresa na altura.

No exercício anterior tinha pago quase 70 cêntimos de dividendo, num total de 580 milhões de euros pagos aos seus acionistas.

A Galp registou um resultado líquido ajustado (RCA) de 42 milhões de euros de prejuízo em 2020 face a período homólogo. Em termos de resultado líquido IFRS, a companhia registou prejuízos de 551 milhões de euros, com eventos não recorrentes de 171 milhões de euros negativos e um efeito de stock material de 338 milhões negativos.

Galp fecha ano de 2020 com prejuízos

Ler mais
Recomendadas

Carlos Ribas: “Não fosse esta situação dos componentes e este ano seria o melhor de sempre em vendas da Bosch em Braga”

Bosch fechou 2020 com uma quebra homóloga de 10%, para 1,6 mil milhões de euros, nas vendas em Portugal. Em entrevista ao Jornal Económico o representante do grupo alemão em Portugal, Carlos Ribas, justifica o decréscimo com o impacto da pandemia nas operações, sobretudo na divisão automóvel em Braga.

Startup inspira-se num dos maiores IPO da Europa para expandir mercado dos cacifos inteligentes

A empresa portuguesa Bloq.it prepara-se para fechar este mês uma ronda de investimento ‘seed’ de 550 mil euros, disse ao Jornal Económico o cofundador João Lopes. Mais do que guardar malas, os cacifos que se abrem com QR code são uma mais-valia para o negócio das entregas.

Grupo de trabalho defende subida de taxa nas barragens da Engie no rio Douro

Três das barragens pagam atualmente 67 mil euros por ano, mas com uma atualização da taxa passariam a pagar 751 mil euros anuais. Parte da receita da taxa de recursos hídricos deve ser usada no “apoio de projetos no território” impactado pelas barragens, defende o documento.
Comentários