Galp passa de 101 milhões de lucros para 23 milhões de prejuízos no terceiro trimestre

No terceiro trimestre, a produção subiu 6% para 132 mil barris diários: em Angola recuou 7% para 11,8 mil barris diários, no Brasil subiu 8% para 120,2 mil barris diários

Cristina Bernardo

A Galp registou 23 milhões de euros de prejuízo no terceiro trimestre, valor que contrasta com os 101 milhões de lucros registados em período homólogo, anunciou hoje a empresa.

Nos nove primeiros meses do ano, passou de um lucro de 403 milhões de euros em período homólogo para um prejuízo de 45 milhões.

O EBITDA ajustado (RCA) recuou 33% para 1,16 mil milhões de euros, “refletindo as condições de mercado mais adversas durante o período”, segundo a petrolífera.

O cash flow gerado por atividades operacionais (CFFO) recuou 45% para 794 milhões de euros até setembro, enquanto o free cash flow foi de 299 milhões de euros, excluindo a aquisição de projetos de energia solar.

No terceiro trimestre, a produção subiu 6% para 132 mil barris diários: em Angola recuou 7% para 11,8 mil barris diários, no Brasil subiu 8% para 120,2 mil barris diários

O investimento atingiu 724 milhões de euros, com a área de energias renováveis e de novos negócios a pesar 46% no total, depois do pagamento de 325 milhões de euros à ACS no terceiro trimestre para comprar 2,9 gigawatts de projetos de energia solar fotovoltaica em Espanha.

Já a produção de petróleo e de gás natural atingiu 35% do investimento total, “maioritariamente alocado à continuação do desenvolvimento dos projetos Tupi e Berbigão/Sururu, no Brasil, assim como os projetos da Área 4 em Moçambique”.

A dívida líquida da energética aumentou para 2,1 mil milhões de euros, “considerando os dividendos pagos a acionistas e a interesses minoritários, bem como o pagamento da transação dos projetos de solar”.

“A resiliência operacional da Galp e a competitividade do seu portfólio foram fundamentais para o nosso desempenho robusto no trimestre. Continuámos a desenvolver os nossos projetos de acordo com as orientações estratégicas, apesar das condições de mercado sem precedentes, posicionando a Galp como um player solar líder na Península Ibérica e promovendo o nosso crescimento sustentável”, disse o presidente da empresa, Carlos Gomes da Silva

A companhia diz que “o plano estratégico da Galp prevê a descarbonização gradual do seu portefólio. A ampresa estabeleceu objetivos de longo prazo para a redução da intensidade carbónica, alinhando o portfólio com a visão de neutralidade carbónica na Europa até 2050 e comprometendo-se a reduzir a intensidade das suas atividades em pelo menos 15% até 2030 (2017 como ano de referência)”.

Ler mais
Recomendadas

EDP conclui venda à Total de duas centrais a gás e carteira comercial em Espanha

A EDP concluiu esta terça-feira a venda de um portefólio de ativos térmicos e clientes de comercialização de energia em Espanha à Total por um enterprise value de 480 milhões de euros.
Debenhams

Mais de dois séculos depois, retalhista britânica Debenhams fecha atividade

A cadeia retalhista britânica Debenhams vai encerrar todas as lojas no Reino Unido depois de 242 anos de atividade porque não se encontrou um comprador, pondo em risco 12 mil postos de trabalho.

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!
Comentários