Galp tem 200 milhões para energias renováveis e admite entrada em novos mercados

O novo presidente da petrolífera admitiu que vai analisar a entrada em novos mercados de energias renováveis. Mais detalhes serão avançados durante o mês de maio.

A Galp tem 200 milhões de euros para investir em energias renováveis este ano, revelou hoje o novo presidente executivo da empresa, Andy Brown.

A petrolífera prevê gastar entre 500 milhões a 700 milhões de euros este ano em diversos investimentos. Deste total, 200 milhões de euros destinam-se às energias renováveis, com o restante a dividir-se pela operação no Brasil, investimento na área de Bacalhau no pré-sal, e pelo projeto de gás natural em Moçambique, Coral.

Ao mesmo tempo, a petrolífera admitiu que vai analisar a entrada em novos mercados de energias renováveis. “Vamos olhar para outros mercados nos quais possamos entrar”, disse Andy Brown esta segunda-feira, 22 de fevereiro, numa chamada com analistas.

“Não posso dar mais detalhes hoje, mas é uma coisa que vamos analisar no Capital Markets Day em maio, sobre como gostaríamos de aumentar o portefólio de renováveis, aumentar a sua resiliência”, avançou o gestor britânico que substituiu Carlos Gomes da Silva no cargo há duas semanas.

Questionado sobre a velocidade à qual a Galp quer participar na transição energética, sublinhou que a empresa já está a agir de forma acelerada. “Há um ano não tínhamos, na realidade, presença nas renováveis, e agora somos o maior ator no solar na Península Ibérica. Portanto esta é uma empresa que se pode mexer e de forma muito rápida, que tem a agilidade para fazer mudanças substanciais”.

“Temos de decidir o que é prudente para os acionistas, o que está alinhado para a transição energética e a velocidade à qual temos de agir”, disse o gestor.

Até ao final de 2021, a empresa espera ter 1,2 gigawatts de energias renováveis em operação. Em 2020, a companhia fechou a compra da espanhola ACS que está a desenvolver um portefólio de 900 megawatts de energia solar.

Andy Brown revelou que a empresa já identificou 3,7 gigawatts de oportunidades em diversos projetos e que o objetivo da empresa é atingir os 10 gigawatts de potência renovável até 2030.

Ler mais

Relacionadas

“Prudência” é a palavra favorita do novo CEO da Galp para “um ano duro”

Na primeira teleconferência com os analistas, Andrew Brown disse que a Galp não quer ser avaliada apenas pelo dividendo, mas concedeu que os investidores precisam de ‘clareza’ sobre o assunto e por isso a empresa vai organizar um ‘Capital Markets Day’ em maio.

Meta de produção da Galp para 2021 desilude e ações tombam 3%

Os analistas ficaram desapontados com o ‘guidance’ empresa sobre a produção de petróleo este ano, que vai ficar entre 125 mil e 135 mil barris por dia, prevendo uma reação negativa do mercado. Em relação à nova política de dividendo, a opinião divide-se entre alguns elogios e desilusão.

Galp. Empresa anuncia dividendo de 35 cêntimos relativo a 2020 e de 50 cêntimos para o exercício de 2021

A empresa vai propor aos seus acionistas um corte de 50% no dividendo de 2020 em comparação com o do ano anterior. Para o exercício de 2021, a Galp pretende pagar 50 cêntimos de dividendo, com um pagamento intercalar no terceiro trimestre deste ano “dependendo da performance” da empresa”.

Galp fecha ano de 2020 com prejuízos

A Galp registou 42 milhões de euros de prejuízo em termos de resultado líquido ajustado, em termos de resultado líquido IFRS registou prejuízos de 551 milhões de euros.
Recomendadas

Sonae reforça posição na Sonae Sierra ao comprar 10% do capital desta à Grosvenor

O grupo com sede na Maia passa assim a deter 80% da Sonae Sierra, depois de adquirir 10% por uns estimados 82,16 milhões de euros à Grosvenor.

CEO do Goldman Sachs anuncia investimento de 156 mil milhões de dólares na sustentabilidade

David Solomon, presidente e CEO da Goldman Sachs, anunciou o progresso anual rumo ao compromisso do banco norte-americano em termos de Sustainable Finance Commitment. O banco norte-americano quer que os EUA regressem ao Acordo de Paris.

Administração da Semapa diz que preço da OPA da Sodim é o adequado

A administração da Semapa considera a OPA oportuna e o preço de 11,40 euros, bem como as restantes condições, são as adequadas.  A Semapa também diz que a OPA não prevê a necessidade de proceder a alterações às condições atuais dos trabalhadores e que o perfil de risco de crédito da empresa não será alterado.
Comentários