Galp entra na exploração de lítio em Portugal

A petrolífera vai ficar com uma percentagem de 10% deste projeto localizado no distrito de Vila Real e que é detido maioritariamente pela Savannah Resources.

A Savannah Resources anunciou hoje um acordo com a Galp para a mina de lítio do Barroso, no concelho de Boticas, distrito de Vila Real.

Este acordo diz respeito a um “investimento estratégico e uma aliança no campo de lítio” neste projeto localizado no norte de Portugal.

A Galp vai ficar com uma percentagem de 10% neste projeto em troca de 6,4 milhões de dólares para ser usado no estudo de viabilidade do projeto.

A petrolífera vai “acrescentar valor material através da sua participação na gestão do projeto e a transferência da sua experiência significativa no desenvolvimento de projetos de grande escala em Portugal”.

A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva vai ficar com 50% do concentrado de lítio produzido anualmente nesta mina.

“A mina do Barroso vai providenciar uma série de benefícios económicos, sociais, demográficos e ambientais para a região, para Portugal e a Europa. Em particular, o projeto vai providenciar um catalisador para o desenvolvimento em Portugal de potenciais novas industrias no ecossistema europeu da baterias de iões de lítio”, disse em comunicado o presidente executivo da Savannah, David Archer.

A empresa mineira Savannah Resources está sediada em Londres e o seu portefólio inclui a mina do Barroso e a mina de Mutamba em Moçambique. de metais pesados.

Sobre o projeto da mina do Barroso, a Savannah diz que é uma “oportunidade” para a empresa de tornar no primeiro produtor de lítio na Europa através dos mais rápido desenvolvimento do mais significante recurso de lítio na União Europeia”.

Ler mais
Recomendadas

França bloqueia aquisição do Carrefour pela canadiana Couche-Tard

As ações da Carrefour caíram 6,92% para 15,46 euros depois do Governo de Macron ter manifestado oposição à oferta dos canadianos da Couche-Tard.

Mais de metade das empresas portuguesas antevê queda das vendas no primeiro trimestre

Segundo o inquérito “Sinais Vitais | Expectativas face um futuro próximo”, realizado em parceria pela CIP e o ISCTE, , 51% das entre 735 empresas inquiridas antecipam uma quebra da faturação nos primeiros três meses deste ano face ao primeiro trimestre de 2020.

Fusões e aquisições em Portugal caíram mas valor movimentado aumentou 5% em 2020

Apesar de ter sido (novamente) o mais ativo, o sector do imobiliário apresentou uma redução de 16% no volume de negócios, com 88 transações de compra e venda. A operação em destaque no quarto trimestre foi a conclusão da aquisição de 81,1% do capital da Brisa pelo consórcio liderado pela APG Asset Management, por 2,4 mil milhões de euros.
Comentários