Ganhos da Galp acima dos 2% dão gás ao PSI 20 no arranque da sessão

Oito empresas cotadas valorizam, cinco desvalorizam e quatro negoceiam sem variação no PSI 20.

O principal índice bolsista português (PSI 20) arrancou esta sexta-feira a ganhar 0,23%, para 4.649,78 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

Os investidores revelam-se otimistas com os progressos em torno das vacinas para a Covid-19. Contudo, o ânimo só não é maior pela expectativa criada enquanto aguardam pelos dados do emprego nos Estados Unidos.

Acresce a situação vivida nos mercados petrolíferos. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os países parceiros chegaram a acordo para aliviar os cortes de produção em 2021, tendo em conta a situação pandémica.

Em Londres, o Brent, que é referência para Portugal, avança 1,89% para 49,59 dólares. Já em Nova Iorque, o WTI ganha 1,71% para 46,42 dólares.

Na bolsa portuguesa, oito empresas cotadas valorizam, cinco desvalorizam e quatro negoceiam sem variação no PSI 20. Destaque para a Galp Energia, que beneficia do sentimento vivido no mercado petrolífero. A petrolífera portuguesa avança 2,12%, para 9,05 euros.

O Banco Comercial Português (BCP) também contribuiu para a negociação em alta no PSI 20. O BCP, um dos pesos pesados do PSI 20, ganha 0,42%, para 0,12 euros.

Os CTT (0,40%) e a Jerónimo Martins (0,36%) também avançam com ganhos, contribuindo para impulsionar o principal índice bolsista nacional.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street negoceia em alta ligeira de olhos postos nos estímulos económicos

Os investidores em Wall Street estão expectantes quanto ao pacote de estímulos à economia e o plano de vacinação contra a Covid-19 prometido por Joe Biden.

Riscos sobre crescimento da economia da zona euro estão “menos pronunciados”, diz Lagarde

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse esta quinta-feira que as projecções económicas de dezembro se mantêm “válidas” e que os riscos sobre a economia estão “menos pronunciados” devido ao acordo do Brexit e ao início da campanha de vacinação.

Fundos de obrigações da GNB lideraram rentabilidades em 2020

No topo do ‘ranking’ surge o NB Obrigações Europa da GNB Gestão de Ativos. Gerido por Vasco Teles, o produto registou um retorno em 2020 de 13,27%. Quando relacionamos a rentabilidade com o risco, o retorno foi de 1,4%.
Comentários