Gás natural: famílias portuguesas pagam terceiro preço mais caro na UE

O gás natural mais caro é pago na Suécia (0,11 euros por kw), seguindo-se a Dinamarca (0,09), a Holanda e Portugal (0,08 cada) e a Espanha (0,07 euros por kw).

Portugal teve o segundo maior recuo (-1,8%) nos preços do gás natural para consumo doméstico no primeiro semestre do ano, na comparação homóloga, mas tem o terceiro valor mais elevado entre os Estados-membros, segundo dados do Eurostat.

De acordo com o gabinete estatístico da União Europeia (UE), entre janeiro e junho, a Estónia foi o país onde os preços do gás natural mais recuaram em termos homólogos (-4,3%), seguindo-se Portugal (-1,8%) e o Luxemburgo (-1,7%).

Em sentido contrário, as maiores subidas homólogas dos preços do gás natural verificaram-se na Bulgária (14,9%), seguindo-se a Lituânia (9,3%) e a Holanda (6,8%).

O gás natural mais caro é pago na Suécia (0,11 euros por kw), seguindo-se a Dinamarca (0,09), a Holanda e Portugal (0,08 cada) e a Espanha (0,07 euros por kw).

A Bulgária, Estónia, Croácia, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Hungria, Polónia, Eslováquia (todos com um preço de 0,04 euros por kw) e a Roménia (0,03 euros por kw) pagaram os menores preços pelo consumo doméstico de gás natural.

Na UE o preço médio foi de 0,06 euros por kw e na zona euro de 0,07.

Ler mais
Recomendadas

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Comércio digital cresce mesmo sem tecnologia futurista

Os empresários contactados pelo Jornal Económico, que desenvolvem plataformas de comércio eletrónico, vendem ‘online’ ou estão ligados à indústria logística, defendem que os novos sistemas de pagamento têm facilitado a evolução deste mercado.

“Vamos assistir à terceirização do e-commerce”, afirma presidente da ACEPI

O presidente da ACEPI, Alexandre Nilo Fonseca, considera que o ramo alimentar, “que até agora tem estado um bocadinho afastado do digital”, vai assistir a uma evolução no comércio ‘online’.
Comentários