Gás natural: famílias portuguesas pagam terceiro preço mais caro na UE

O gás natural mais caro é pago na Suécia (0,11 euros por kw), seguindo-se a Dinamarca (0,09), a Holanda e Portugal (0,08 cada) e a Espanha (0,07 euros por kw).

Portugal teve o segundo maior recuo (-1,8%) nos preços do gás natural para consumo doméstico no primeiro semestre do ano, na comparação homóloga, mas tem o terceiro valor mais elevado entre os Estados-membros, segundo dados do Eurostat.

De acordo com o gabinete estatístico da União Europeia (UE), entre janeiro e junho, a Estónia foi o país onde os preços do gás natural mais recuaram em termos homólogos (-4,3%), seguindo-se Portugal (-1,8%) e o Luxemburgo (-1,7%).

Em sentido contrário, as maiores subidas homólogas dos preços do gás natural verificaram-se na Bulgária (14,9%), seguindo-se a Lituânia (9,3%) e a Holanda (6,8%).

O gás natural mais caro é pago na Suécia (0,11 euros por kw), seguindo-se a Dinamarca (0,09), a Holanda e Portugal (0,08 cada) e a Espanha (0,07 euros por kw).

A Bulgária, Estónia, Croácia, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Hungria, Polónia, Eslováquia (todos com um preço de 0,04 euros por kw) e a Roménia (0,03 euros por kw) pagaram os menores preços pelo consumo doméstico de gás natural.

Na UE o preço médio foi de 0,06 euros por kw e na zona euro de 0,07.

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Marisa Matias diz que Bruxelas “está a preparar um assalto às pensões”

A eurodeputada acusa Bruxelas qde querer reduzir a Segurança Social “a um sistema de esmolas para pobres, empurrando quem pode para produtos privados e quem não pode para a miséria”.

João Ferreira recupera tema da “renegociação da dívida nos juros, prazos e montantes”

“Ao todo, foram mais de 100 mil milhões de euros de juros pagos à banca desde a entrada de Portugal no euro, recursos que fizeram e fazem falta aos salários, pensões, aos serviços e investimento públicos, à dinamização da produção nacional”, afirmou o eurodeputado comunista.
Comentários