General angolano investigado por branqueamento de 402 milhões de euros em Portugal

De acordo com documentos a que o CM teve acesso, estarão em causa cerca de 160 operações financeiras, em euros e dólares, para contas e ‘offshores’ de vários bancos diferentes.

O general angolano Manuel Hélder Vieira Dias (também conhecido por Kopelipa) estará a ser investigado pelo Ministério Público por suspeitas de branqueamento de 402 milhões de euros, em Portugal, segundo noticia este sábado o Correio da Manhã. O valor terá dado entrada em contas pessoais do oficial e de offshores, entre setembro de 2006 e fevereiro de 2013.

De acordo com documentos a que o CM teve acesso, estarão em causa cerca de 160 operações financeiras em euros e dólares. Do total, 304,4 milhões de euros terão entrado nas contas de sociedades offshores no BES e no BCP e 97,7 milhões de euros em contas pessoais no BCP, no Banco Privado Atlântico – Europa, no BES e no BIG.

O caso terá sido investigado em 2014, mas foi arquivado. No entanto, o Ministério Público acabou por reabrir a investigação por considerar não ser possível identificar a origem inicial do dinheiro.

“A maioria dos referidos 400 milhões de euros, movimentados entre 2006 e 2013, se destinaram, como decorre da documentação apresentada e dos atos comerciais subjacentes, a pagar mercadorias, equipamentos e serviços a fornecedores no exterior de Angola, designadamente em Portugal”, justificou o advogado do general Kopelipa, Paulo Blanco, citado pelo CM.

Relacionadas

Homens de confiança de Eduardo dos Santos escondem fortunas em Portugal

Uma investigação da “Sábado”, que teve acesso a documentos confidenciais no âmbito da operação Fizz, avança que vários milhões de euros dos homens de confiança de José Eduardo dos Santos, circulou em Portugal.

Procuradoria investiga administrador executivo da Sonangol

Processo do Ministério Público português deu origem a inquérito em Angola. Na mira da Justiça dos dois países está Luís Ferreira do Nascimento Maria, nomeado recentemente para a Sonangol. Em causa está alegado esquema de branqueamento de mais de 25 milhões de euros que envolve a TAP e companhia aérea da petrolífera angolana.
Recomendadas

Caso BES: Ministério Público espera ainda usar provas da Suíça no julgamento

Segundo o Público, os procuradores esperam que as provas pedidas às autoridades suíças possam ser ainda adicionados até ao julgamento, uma vez que entre a acusação, que deverá estar pronta até 16 de julho, e o julgamento deverá decorrer um ano.

António Mexia e Manso Neto pedem afastamento do juiz Carlos Alexandre, dizem que decisões são “parciais”

O pedido suspende interrogatórios no caso Manuel Pinho / CMEC que estavam previstos para dias 2 e 3 de junho. A defesa liderada pelo advogado João Medeiros alega que até que o Tribunal da Relação de Lisboa decida sobre o requerimento de recusa apresentado, o juiz Carlos Alexandre só poderá praticar atos processuais considerados como urgentes pela lei.

“Alcochete nunca mais”: Sporting reage ao fim do processo de invasão da academia

O Sporting afirma que os acontecimentos do dia 15 de maio de 2018, marcaram “indelevelmente o Sporting CP e os Sportinguistas, trazendo consequências muito nefastas para todos”. Os leões sublinham ainda que o desporto deve ser um espaço “saudável e não de violência gratuita e criminalidade”.
Comentários