Gestão, equilíbrio entre oferta e procura e a regulação são alguns dos desafios do setor imobiliário em 2020

Plataforma de crowdfunding Housers partilha as tendências que irão marcar o próximo ano e os desafios que se aproximam para este mercado em Portugal.

A plataforma de crowdfunding Housers decidiu partilhar as tendências e os desafios que se aproximam e que vão marcar o ano de 2020, no setor imobiliário.

David Diogo, real estate director da Housers em Portugal, afirma que “nos últimos dois anos de atuação da Housers no mercado português, temos assistido a um desenvolvimento saudável do setor imobiliário”.

O responsável desta plataforma sublinha que “houve uma recuperação no setor da construção com a ajuda de investimento nacional e estrangeiro”, sendo que “através da Housers, captaram-se mais de seis milhões de euros para projetos de construção em Portugal, sendo mais de 75% proveniente de investimento estrangeiro”.

Com base nestes números a plataforma de crowdfunding apresenta cinco tendências e desafios para o novo ano, sendo que David Diogo acredita que as perspetivas para 2020 são positivas prevendo “novos desafios no mercado imobiliário, mas a solidez com que se apresenta o setor faz-nos crer que serão facilmente ultrapassados”.

Novas formas de gerir imóveis

As novas formas de gestão de imóveis surgem como uma tendência crescente no setor: atores de gestão de ativos (asset management, denominação utilizada nos setores financeiros e imobiliários) surgem no mercado e estima-se que continuarão a crescer e a consolidar-se, contribuindo para uma maior profissionalização e inovação no setor, assim como novas práticas e benefícios para os proprietários.

Prova de fogo às medidas regulatórias

Há uma década vivíamos uma fase de otimismo semelhante à que se vive atualmente, mas com diferenças estruturais em fatores-chave, como a concessão de crédito. A meio de 2019, o Banco de Portugal pôs um travão à concessão de crédito de habitação, tomando medidas para evitar que se repetissem os erros da crise de 2009. Em 2020 confirmar-se-á o efeito deste travão, que foi considerado “suficiente” e “necessário” pelo Comité Europeu de Risco Sistémico (CERS).

Consolidação do uso de Big Data

As novas tecnologias estão a chegar a todos os setores e o imobiliário não é exceção. O uso de Big Data tem crescido no setor, mas há ainda muito espaço para inovar e desenvolver novas ferramentas. O desenvolvimento do uso de algoritmos para obter informação com indicadores precisos do mercado, permitindo um maior conhecimento por parte de todos os stakeholders, contribuirá para uma atuação mais rápida, acentuando a competição num mercado já vigoroso.

Procura de equilíbrio entre oferta e procura

A crescente procura de imóveis, que continuará em 2020, significa que o setor está saudável e é, portanto, um bom sinal para o mercado. O desafio será, no entanto, responder a esta procura, e neste tópico as administrações públicas podem ter uma grande influência: têm o poder de desbloquear os terrenos disponíveis para construção, o que permite a criação de novos empreendimentos imobiliários. Consegue-se assim equilibrar o mercado com a criação de mais oferta, que modera também a subida de preços.

Desafio das discrepâncias geográficas

Apesar de se assistir a uma maior procura no setor imobiliário por todo o país, esta não é igual de região para região, podendo-se dizer que o mercado se move a duas velocidades distintas. No primeiro semestre deste ano, segundo o INE, as rendas aumentaram em 9,2% por todo o país face ao semestre homólogo do ano passado. No entanto, durante este período, em certas áreas do país o valor das rendas situou-se acima da média nacional: na Área Metropolitana de Lisboa, na Área Metropolitana do Porto, no Algarve e na Madeira. Apesar deste desequilíbrio se tratar de um problema estrutural, para o qual é preciso uma articulação das entidades públicas e privadas do setor, ainda há trabalho a fazer para amenizar estas discrepâncias. A obtenção de financiamento alternativo, um mercado com margem para crescer e amadurecer, pode ajudar promotores que queiram desenvolver projetos em locais estratégicos que permitam o escoamento da pressão demográfica sobre os grandes centros urbanos.

Ler mais
Recomendadas

PremiumHostmaker: “Se matarem o alojamento local vão ter que o reativar”

David Costa, executivo da empresa em Lisboa, critica as medidas que o Estado pretende introduzir no setor no Orçamento do Estado para 2020: “O alojamento local tem custos bastante superiores ao alojamento tradicional”.

ASAE instaura 327 processos a estabelecimentos de Alojamento Local e empreendimentos turísticos

A falta de afixação da placa identificativa do alojamento local ou da classificação do empreendimento turístico e a oferta de serviços de AL por parte de estabelecimentos sem registo ou com registo desatualizado estão entre as principais infrações contraordenacionais detetadas.

Mercado de escritórios em Lisboa encerra 2019 com quebra de 6%

No último mês do ano, a ocupação de escritórios em Lisboa atingiu os 22.008 mil m2, num crescimento de 87% face ao mês anterior e de 44% em relação ao período homólogo, segundo o Office Flashpoint da consultora JLL.
Comentários