Global Flight School abre vagas para piloto de linha aérea

Empresa diz que apesar dos efeitos da pandemia sobre a aviação comercial, o setor continua carente de profissionais. Curso custa 85 mil euros e candidaturas decorrem até 28 de agosto.

A maior parte dos aviões comerciais ainda continua em terra, mas a Global Flight School garante que apesar do atual contexto de pandemia, o setor vai continuar a recrutar, estimando que “nos próximos 10 anos sejam precisos 500 mil pilotos de linha aérea”.

Esta escola, que oferece formação para Piloto de Linha Aérea (ATPL), anuncia o lançamento de uma nova fase de candidaturas para o curso ATPL, com arranque previsto para 10 de setembro, com a componente teórica lecionada em Lisboa e as aulas práticas no aeródromo de Ponte de Sor, já em 2021.

O curso tem uma componente teórica de 964 horas: 210 horas voo real e ainda 20 horas a bordo de um simulador de ponta de um Airbus A320. Custa 85 mil euros, que são, segundo a empresa, “financiáveis até 100%”.

A admissão ao curso é antecedida de teste de admissão para aferir se os candidatos possuem “as capacidades e habilidades básicas necessárias”.

A Global Flight School dará início em agosto próximo às aulas práticas iniciadas no curso de outubro 2019, encontrando-se já a voar os alunos que obtiveram transferências de outras escolas.

Um comunicado da administração da empresa destaca a pista de 1800 metros do aeródromo de Ponte de Sor e as as condições climatéricas e de infraestruturas. “ideais para se tornar num polo de formação de pilotos e destino para a fixação de empresas do cluster aeronáutico, estimulando a região e promovendo todo o concelho”. Segundo o documento a atividade da empresa permitiu criar 50 novos postos de trabalho em Ponte de Sor, cujo aeródromo conta com uma pista de 1.800 metros.

Ler mais
Recomendadas

Ministro da Educação anuncia 125 milhões para reforçar recursos humanos das escolas

Tiago Brandão Rodrigues anunciou, esta terça-feira à tarde, no Parlamento verba para reforçar as escolas com docentes e não docentes e técnicos superiores, como psicólogos.

PremiumCatólica Porto Business School quer elevar qualidade da gestão no país

Rui Soucasaux Sousa diz ao JE que escola de negócios, que vai liderar até 2023, quer ter papel-chave na melhoria da gestão das empresas. No curto prazo, é desafio a mobilidade internacional, dificultada pela pandemia.

Médias dos alunos do secundário estão mais altas. Veja aqui o ranking das escolas

Dois colégios privados, um do Porto, outro de Braga surgem à cabeça dos que mais se distinguiram-se nos exames de 2019. As primeiras escolas públicas são a Infanta D. Maria, em Coimbra e Básica e Secundária Dr. Serafim Leite, em São João da Madeira. Filosofia ficou em terreno negativo.
Comentários