Glovo fecha ronda de financiamento de 150 milhões de euros

A ronda de investimento série D vai permitir à empresa de entregas contratar mais engenheiros e expandir o tipo de serviços que oferece.

A startup espanhola Glovo angariou mais 150 milhões de euros numa nova ronda de financiamento (série D), liderada pela sociedade de capital de risco suíça Lakestar e pela Drake (dona do franchise mundial de pizzas Papa John’s). A aplicação móvel de entregas ao domicílio vai utilizar o montante para contratar 300 engenheiros e expandir serviços que está a testar em Espanha, por exemplo.

Os profissionais que se irão juntar à empresa têm como objetivo “criar uma experiência mais inteligente e eficiente para os clientes, reduzir o tempo de espera para os estafetas e ajudar a empresa a lançar e liderar novos mercados na África, Europa e América Latina”, de acordo com a informação divulgada esta semana. “A nossa principal prioridade é investir na nossa equipa, a qual tem sido fundamental para o sucesso que alcançamos até o momento. À medida que crescemos, precisamos de aumentar esta equipa de engenheiros para dar resposta à procura que temos vindo a sentir”, disse Oscar Pierre, co-fundador e CEO da Glovo, em comunicado.

Dharmash Mistry, sócio da Lakestar, vai fazer parte do conselho de administração Glovo. Além da Lakestar – que já investiu em tecnológicas com o Skype, o Spotify, o Facebook ou o Airbnb –, a empresa fundada em 2015 contou ainda com investidores novos na casa: as venture capitalists Idinvest Partners e Korelya Capital.

A Glovo refere que irá investir também em categorias de entrega que estão a crescer, à parte a alimentação (lavandaria, bebidas alcoólicas, produtos de farmácia, mercearias…) e em espaços designados «dark supermarkets», que permitem que os produtos sejam entregues aos clientes cerca de 20 minutos depois de fazerem o pedido. Por exemplo, nas cidades espanholas de Barcelona e Madrid este tipo de estabelecimentos armazena até 1.000 bens/produtos para que os estafetas os possam recolher mais rapidamente. Com este financiamento extra o objetivo é que possa haver uma expansão para mercados prioritários.

No ano passado, a Glovo – que tem mais de 5,5 milhões de utilizadores em 21 países – angariou 134 milhões de dólares series C da Seaya Ventures, Cathay Innovation e Rakuten Capital, com um financiamento até à data de 285 milhões de euros.

Relacionadas

Glovo e N26 assinam parceria que dá créditos na entrega de refeições

A partir de agora, qualquer utilizador que utilizar os serviços de entrega de refeições da Glovo e optar por pagar com o cartão N26, ser-lhe-á devolvido metade do valor na forma de crédito para ser utilizado em pedidos posteriores na Glovo.

Glovo aposta nas empresas e garante entregas em 30 minutos

Depois de ser testado por mais de 20 empresas em Barcelona, ​​o serviço está agora disponível em todas as cidades em que a Glovo opera. Em Portugal, a Glovo foi lançada em Lisboa em outubro de 2017 e no Porto em março deste ano.

Portugueses aderem cada vez mais às entregas de refeições ao domicílio

Com o aumento da confiança dos consumidores e um notório desenvolvimento do ecossistema de comércio eletrónico em Portugal, o número de portugueses que opta por este tipo de comércio tem vindo a crescer. A consultora Nielsen afirma que a compra de refeições para entrega ao domicílio aumentou 9% no país.
Recomendadas

Walmart multada em 248 milhões por práticas de corrupção

A maior retalhista do mundo chegou a acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos para encerrar uma investigação em curso sobre práticas de corrupção em quatro países estrangeiros.

Sonae MC oferece flexibilidade na personalização do formato de trabalho

Trabalhar a partir de casa, ter horário de trabalho mais reduzido e tirar dias extra sem remuneração são medidas ao alcance dos colaboradores desta empresa do grupo Sonae. Cláudia Romão, RH Lead da SonaeMC, explica ao Jornal Económico, o que levou à criação de Flex It Up e os objetivos a atingir pelo programa.

Trabalhadores dos supermercados e armazéns do Continente em greve este domingo

Desde o dia 1 já estiveram envolvidos em ações de luta por melhores salários e condições de trabalho os trabalhadores do Pingo Doce, IKEA, Intermarché, C&A, Lidl, Dia e Jumbo.
Comentários