Goldman Sachs financia em 150 milhões startup portuguesa especializada em renting

Com este financiamento, a Liqui.do pretende ajudar as PME portuguesas a modernizar os equipamentos de que necessitam para expandir os negócios.

A Liqui.do, empresa portuguesa especializada em soluções de renting de equipamentos para pequenas e médias empresas obteve um financiamento do banco de investimento norte-americano, Goldman Sachs, no valor de 150 milhões de euros.

Com este financiamento, a Liqui.do pretende ajudar as PME portuguesas a modernizar os equipamentos de que necessitam para expandir os negócios. Além disso, a empresa portuguesa, liderada por Sérgio Nunes “pretende recrutar 20 novos profissionais para reforçar a área comercial e de desenvolvimento de software”, e “chegar a novos mercados, investido na melhoria da sua plataforma, tecnologia e oferta de produto”, lê-se na nota.

Para Sérgio Nunes, “este financiamento é um passo muito importante para a empresa, pois irá permitir à Liqui.do apoiar mais PME nacionais, conferindo-lhes liquidez de modo a fazerem crescer os seus negócios”.

Em comunicado, a Liqui.do explicou que 50 milhões já estão disponíveis, enquanto os restante cem milhões estão sujeitos “a determinadas condições”, que não foram detalhadas.

A Liqui.do, uma empresa tecnológica, desenvolve processos de renting de forma totalmente digital, com recurso a algoritmos, cloud computing e automação, eliminando as burocracias.

Segundo a empresa, o fornecedor de equipamentos pode, “em poucos segundos”, apresentar uma proposta aos seus clientes através da plataforma da Liqui.do, podendo, inclusive, “fechar o negócio naquele momento, sem necessidade de informação ou documentação adicionais”.

 

Ler mais
Relacionadas

Maiores bancos dos EUA alertam para risco crescente de recessão mundial

De acordo com o Morgan Stanley, citado pela agência financeira Bloomberg, uma recessão económica global poderia ter início dentro de nove meses caso o presidente norte-americano, Donald Trump, aumentasse em 25% as tarifas alfandegárias sobre mais exportações chinesas avaliadas em 300 mil milhões de dólares e se a China decidisse retaliar.

Goldman Sachs com quebra de 20% dos lucros no primeiro trimestre

As receitas de negociação caíram 18% para 3,61 mil milhões de dólares, com as receitas de ações a descer 24% e as de renda fixa, moedas e commodities a recuarem 11%.
Recomendadas

Filipe Pinhal: “Bancos não vão à falência por causa da insuficiência de capital mas por falta de liquidez”

Numa revisitação à guerra de poder no BCP, o ex-banqueiro Filipe Pinhal lembrou a crise de liquidez de 2008, na apresentação do livro de João Rendeiro.

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.

Novo Banco: valor dos juros gerados pelos ativos do CCA pode compensar parte das injeções do FdR

Os deputados têm levantado a questão de os juros associados aos ativos do mecanismo de capital contingente, quando não são recebidos acrescerem às perdas, mas quando são recebidos não abaterem às perdas. A audição desta terça-feira foi a João Gomes Ferreira, partner da Deloitte, que fez a auditoria especial ao Novo Banco.
Comentários