Goldman Sachs, JP Morgan e Wells Fargo com lucros acima do esperado

JP Morgan Chase & Co, maior banco dos Estados Unidos, e Goldman Sachs, grupo financeiro multinacional, divulgaram nesta quarta-feira, 14, seus resultados do primeiro trimestre de 2021. Também o Wells Fargo apresentou as suas contas. Os bancos norte-americanos libertaram provisões Covid, porque os riscos de crédito não se materializaram e os lucros dispararam.

Os maiores bancos dos Estados Unidos apresentaram as contas do primeiro trimestre com lucros muito superiores aos esperados pelos analistas.

O lucro do Goldman Sachs aumentou 464% no primeiro trimestre face ao período homólogo. Segundo a Lusa, o grupo financeiro norte-americano Goldman Sachs anunciou hoje um lucro líquido de 6.836 milhões de dólares no primeiro trimestre.

O resultado recorde (equivalente a 5.714 milhões de euros) foi impulsionado por operações de corretagem e banca de investimento.

A faturação da entidade financeira entre janeiro e março ascendeu a 17.704 milhões de dólares, mais 102% em comparação com o exercício anterior, alimentado em boa parte pela divisão de Mercados Globais, que cresceu 46% para 7.580 milhões devido ao bom desempenho dos mercados de ações e renda fixa.

A Goldman Sachs é a empresa mais exposta a atividades bolsistas em Wall Street entre os grandes bancos norte-americanos, o que lhe permitiu beneficiar nos últimos meses com a forte subida dos mercados.

“Temos estado a trabalhar bastante com os nossos clientes na preparação do pós-pandemia e num clima económico mais estável. Os nossos negócios continuam muito bem posicionados (…) para a recuperação e essa força reflete-se nas receitas e lucros recorde deste trimestre”, afirmou o presidente executivo, David Solomon.

A entidade reduziu as suas reservas para crédito malparado em 70 milhões de dólares, o que reflete “a melhoria contínua do clima económico após as difíceis condições que começaram no primeiro trimestre de 2020 como resultado da pandemia de covid-19”. O valor para essas perdas é agora de 4.240 milhões de dólares.

Os resultados do Goldman Sachs superaram as expectativas dos analistas e as suas ações subiam 1% nas operações eletrónicas antes da abertura de Wall Street. Desde o início do ano, foi registada uma valorização de 24% em bolsa.

O JP Morgan fechou o primeiro trimestre com lucros de 14,3 mil milhões de dólares (12 mil milhões de euros), o que representa 4,5 dólares por ação. Acima das estimativas dos analistas de 3,10 dólares por ação. Um ano antes o lucro tinha sido de Um ano antes, tinha sido de 2,87 mil milhões de dólares.

O resultado ajustado e receitas superaram estimativas.  Ambos apresentaram lucros e receitas recordes no começo deste ano, alimentadas pela recuperação económica nos EUA.

O JP Morgan registou um aumento de quase cinco vezes o lucro apresentado no mesmo período do ano anterior.

Já a receita do maior banco dos EUA foi de 32,27 mil milhões de dólares, um aumento de 14% em relação a 2020.

O JP Morgan libertou provisões de 5,2 mil milhões de dólares que tinham sido constituídas para riscos de crédito decorrentes da pandemia. As perdas com crédito que a pandemia poderia ter causado nunca se materializou, e agora o banco lucra com a libertação de porvisões e com a recuperação económica.

A área de banca de empresas e de banca de investimento do JP Morgan também foi lucrativa. Já a receita cresceu 46% nesta área.

Outro banco, o Wells Fargo apresentou no primeiro trimestre, receitas de 18,06 mil milhões de dólares (15,08 mil milhões de euros) e um lucros de 1,05 dólares por ação, acima do esperado.

Quanto às provisões libertadas, o banco reportou 1,05 mil milhões de dólares.

Ler mais
Recomendadas

Groundforce avisa que pagamento dos salários de maio está em risco com pedido de insolvência pela TAP

O acionista maioritário alerta que o pedido de insolvência também “vai dificultar a operação de venda que se encontra em curso com diversos players internacionais do setor”. Pedro Nuno Santos é ouvido hoje no Parlamento sobre a situação na empresa com 2.400 trabalhadores.

RTP “precisa de reforço” do financiamento para cumprir completamente novo contrato

“Não há qualquer dúvida que para cumprir completamente aquilo que vai estar disposto no futuro contrato de concessão, a RTP precisa de um reforço do seu financiamento e de um reforço orçamental”, reiterou Nuno Artur Silva.

Receitas totais da Vodafone sobem 0,3% no ano fiscal 2020/2021 para 1.084 milhões de euros

“Os resultados alcançados neste trimestre foram também impulsionados pelo desempenho consistente do negócio fixo, com os clientes de banda larga a atingirem 814 mil (+9,6% em termos homólogos) e os clientes de televisão a totalizarem 749 mil (+10,3% homólogos)”, adianta.
Comentários