Goldman Sachs prevê contração da economia norte-americana em 4,6% este ano

Os economistas do banco reviram em baixa as estimativas para a evolução do PIB dos Estados Unidos. No entanto, melhoraram as previsões para a taxa de desemprego.

O Goldman Sachs reviu em baixa as suas previsões para a economia norte-americana, antecipando agora que o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos (EUA) caia 4,6% este ano, acima da queda de 4,2% prevista anteriormente.

Os economistas do banco esperam que a maior economia do mundo cresça 25% no terceiro trimestre, menos do que os 33% que estimavam. Porém, os especialistas mantêm a previsão de crescimento do PIB na ordem dos 5,8% no próximo ano, de acordo com um relatório divulgado pela “Bloomberg” este domingo.

Em relação aos postos de trabalho no país, o Goldman Sachs acredita que a taxa de desemprego se fixe em 9% ainda no final de 2020, o que representa uma melhoria face à previsão de 9,5% que tinham.

O documento surge três dias depois de o Departamento do trabalho dos EUA informar que o país criou mais 4,8 milhões de empregos em junho, o que perfez um recorde mensal devido à “continuação da recuperação da atividade económica que foi interrompida em março e abril, num esforço destinado a conter a pandemia”. Assim, a taxa de desemprego caiu para 11,1%, depois de ter sido de mais de 13% no mês anterior, e superou a expectativa dos analistas, que apontavam para 12,6%.

“Uma combinação entre restrições estatais mais rígidas e distanciamento social voluntário já está a ter um impacto percetível na atividade económica”, referiu a equipa de economistas liderada por Jan Hatzius, salientando que, apesar de as despesas dos consumidores parecem estagnadas, outras economias mundiais comprovaram que é possível retomar a atividade económica com mudanças de comportamento, como a utilização de máscara.

Relacionadas

Goldman Sachs: “Recuperação nas bolsas foi rápida demais, a curto prazo os riscos são negativos”

A curto prazo a recessão e o impacto nos lucros poderão forçar novas quedas nos índices, mesmo até aos mínimos do ano, alertou o ‘chief global equity strategist’ do Goldman Sachs. As políticas de reação e o desacelerar da taxa de infeção permite, contundo, uma visão mais positiva a médio prazo, com o banco a prever que o S&P 500 termine o ano nos 3.000 pontos.
Recomendadas

Governo estabelece horários mais flexíveis para estabelecimentos comerciais em Lisboa

“Nos territórios que estão em contingência, neste momento a Área Metropolitana de Lisboa, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa pode, de acordo com parecer das forças de segurança e da autoridade local de saúde, fazer alterações nos horários dos estabelecimentos comerciais”, esclareceu a governante.

Euribor sobem a três e a 12 meses e caem a seis meses

A taxa a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação, recuou para -0,433%, menos 0,005 pontos que na quarta-feira, contra o atual máximo desde pelo menos janeiro de 2015, de -0,114%.

Valor dos fundos de investimento em Portugal aumenta 600 milhões no segundo trimestre

A subida assentou sobretudo numa valorização dos ativos. Particulares continuam a ser a maior fatia dos detentores destes títulos.
Comentários