Governo adia arranque do programa IVAucher devido à pandemia

O programa que visava a recuperação do IVA gasto em despesas nos sectores da cultura, do alojamento e da restauração foi adiado devido à pandemia, revelou o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais ao “Eco”. Programa prevê que IVA gasto nestes sectores possa ser recuperado no trimestre seguinte.

Cristina Bernardo

O Governo adiou o programa IVAucher devido à pandemia da Covid-19, revela o jornal Eco esta quinta-feira, 8 de abril. O programa de estímulo ao consumo deveria ter sido lançado no primeiro trimestre, mas o forte impacto da pandemia e o encerramento de estabelecimentos levou o executivo a adiar o arranque da medida.

“O IVAucher vai arrancar quando tivermos as condições adequadas para que nos setores da cultura, do alojamento e da restauração se possa, com segurança, fazer um estímulo à procura. Porque o IVAucher tem como grande objetivo um estímulo à procura interna e um estímulo a que as pessoas possam frequentar restaurantes, teatros, hotéis. E quando estiverem as condições reunidas para que, em segurança, as pessoas possam ser estimuladas a essa procura, isso acontecerá”, disse o secretário de Estado das Finanças ao Eco.

“Porque este tipo de programas atua no sentido de acrescer àquilo que era a procura normal. Só podemos querer atuar a esse nível quando tivermos condições para que as pessoas possam, em segurança, em termos de saúde, acorrer a esse tipo de atividades. Neste momento, podemos ir a um restaurante, mas temos uma limitação de quatro pessoas por esplanada. Hão de abrir os espaços da cultura, mas há limitações ao nível de utilização e da capacidade. Nos hotéis também existem algumas limitações”, segundo António Mendonça Mendes.

Recomendadas

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.

OMS denuncia desigualdades nas vacinas. Países ricos receberam 81% das doses (com áudio)

Enquanto que os países mais ricos já receberam mais de 80% das vacinas, os países com menores rendimentos só acumularam 0,3% das doses.
Comentários