Governo angolano: “Patologia de impunidade pela corrupção” tem de ser eliminada em Angola

O ministro das Relações Exteriores de Angola disse na segunda-feira que existe no país uma “patologia de impunidade pela corrupção, nepotismo e lavagem de dinheiro” que tem de ser eliminada.

Numa palestra no Conselho Atlântico, na capital dos Estados Unidos, Manuel Augusto disse que muitas pessoas “ainda pensam em Angola como um país de guerra e de petróleo”, que “existe uma grande deficiência de comunicação daquilo que Angola é” e apresentou um território de grandes oportunidades.

De seguida, acrescentou: “queremos dizer que Angola já não tem guerra, mas ainda tem petróleo e mais do que isso”, com a principal mensagem de que existem muitas oportunidades de negócio para pequenas e médias empresas.

O antigo embaixador de Angola na Etiópia e Zâmbia sublinhou que o Governo angolano se tem esforçado por fortalecer o quadro jurídico nacional e o sistema de justiça, com a principal prioridade na “moralização da sociedade” e destacou a luta contra as práticas de má fé ou corrupção nos vários setores da sociedade e da economia.

Segundo o ministro angolano, o investimento direto norte-americano em companhias do petróleo “é altamente desejável e constitui um objetivo da estratégia de desenvolvimento sustentável de Angola”.

Comércio, finanças, energia, indústria transformadora, segurança, direitos humanos, saúde e justiça são as áreas nas quais Angola quer fomentar parcerias com Estados Unidos.

Os negócios de família “seriam uma grande ajuda”, exemplificou o ministro, como aquelas que disse admirar nos Estados Unidos, principalmente no estado de Iowa.

Manuel Augusto apelou para que as pequenas e médias empresas também apresentem negócios e se estabeleçam em Angola, um país de grande território, com terra “muito fértil” e arável e uma “grande” rede hidrográfica.

O ministro sublinhou ainda que um dos maiores desafios do país é a diversificação da economia e o aumento da produção doméstica, necessários para garantir a segurança alimentar e autossuficiência.

Ler mais
Relacionadas

Isabel dos Santos compra mansão em Londres no valor de 14 milhões de euros

A residência fica na zona de Kensington uma das mais luxuosas da capital inglesa. Contudo, o negócio está a gerar polémica entre os vizinhos, já que Isabel dos Santos pretende demolir e reconstruir a casa com um piso adicional subterrâneo.

Angola realiza em setembro ‘roadshow’ para licitação de nove blocos petrolíferos na bacia do Namibe

Angola vai realizar em setembro, em Luanda, um ‘roadshow’ internacional para apresentar blocos petrolíferos da Bacia do Namibe e Benguela, para a sua licitação, anunciou hoje a Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG).

Conheça a lista das 195 empresas públicas de Angola a privatizar

TAAG, Sonangol, Unitel, Endiama, Cuca, Nova Cimangola são algumas delas. Veja aqui as empresas que o Estado de Angola vai vender por concurso público, concurso limitado por prévia qualificação ou privatização em bolsa.

Participação da Unitel na Sonangol pode ser comprada por outros acionistas da operadora

“Os outros podem ter direito de preferência no quadro de acordos parassociais” em vigor, explicou o presidente do conselho de administração da petrolífera, Sebastião Gaspar Martins.

Privatizações de quase 200 empresas públicas angolanas concorrem para “aumento do emprego”

Segundo o governante, o ProPriv, que será implementado até 2022, será executado na “base de princípios e mecanismos que assegurem o maior rigor e a maior transparência na alienação” dos bens do Estado.
Recomendadas

Cimeira da Ação Climática: o que vai ser discutido e quem vai estar presente?

A Cimeira da Juventude vai acontecer simultaneamente em Nova Iorque e vai incluir um fórum com diversas gerações onde os jovens vão falar diretamente com os principais líderes políticos mundiais.

Secretário de Estado norte-americano modera declarações sobre o Irão

Em visita aos Emirados Árabes Unidos, Mike Pompeo surgiu inesperadamente a tentar fazer baixar a tensão com o Irão. Por outro lado, Abu Dhabi parece estar a testar uma aproximação ao Irão, ao mesmo tempo que se afasta dos sauditas.

Clima: Amazon anuncia campanha para Acordo de Paris ser cumprido 10 anos antes

Jeff Bezos colocou todo o peso do conglomerado da distribuição eletrónica numa campanha para ajudar a cumprir o Acor de Paris com 10 anos de antecedência.
Comentários