Governo aponta aos 200 milhões de euros para desdobramento do IRS

O ministro das Finanças já fez saber que o desdobramento dos terceiro e sexto escalões não vão gerar um aumento de impostos e admitiu antes uma descida.

Ministro de Estado e das Finanças, João Leão | Cristina Bernardo

O Ministério das Finanças aponta para um um impacto orçamental na ordem dos 200 milhões de euros para o desdobramento dos escalões do IRS. De acordo com a a notícia avançada pelo “Jornal de Negócios” esta segunda-feira, 20 de setembro, este valor não está fechado e até pode aumentar um pouco, se o efeito da mudança for diluído também por 2023.

O ministro das Finanças ,João Leão, já fez saber que o desdobramento dos terceiro e sexto escalões não vão gerar um aumento de impostos e admitiu antes uma descida. O “Jornal de Negócios” indica que a ideia passa por recuperar a medida de redução da carga fiscal que tinha sido planeada para 2021, através do Programa de Estabilidade de 2018, mas que a pandemia tratou de adiar.

Uma das possibilidades passa por permitir que a medida no seu total custe um pouco mais do que os 200 milhões, mas nesse caso divididos por 2022 e 2023, ano de eleições.

Esta situação já aconteceu em 2018 e 2019, quando o então ministro das Finanças, Mário Centeno, anunciou uma descida de impostos de 230 milhões em 2018, mas que acabou por ter um impacto de cerca de 385 milhões de euros, considerando os efeitos que acabaram por ser empurrados para 2019, também ano de eleições.

Recomendadas

Fesap exige respostas do Governo sob pena de avançar com formas de luta

A decisão foi tomada pela comissão permanente da FESAP, que considerou que o Governo tem de responder aos problemas dos trabalhadores da administração, porque a proposta de Orçamento do Estado para 2022 não o faz.

Comissão Europeia adota programa de trabalhos para o próximo ano com 42 novas iniciativas

De um novo instrumento de emergência do mercado único, à criação de uma iniciativa relativa a um rendimento mínimo adequado, passando por uma nova estratégia para um compromisso energético internacional, entre outros objetivos, a Comissão Europeia prevê 42 novas iniciativas estratégicas para o próximo ano.

Bruxelas reabre debate sobre revisão das regras orçamentais

Instituições europeias, autoridades nacionais, parceiros sociais e universidades podem apresentar as contribuições até 31 de dezembro deste ano. Comissão Europeia dar orientações aos Estados-membros no primeiro trimestre de 2022.
Comentários